Governo nega certificado a quem tomou doses de vacinas diferentes

Ministério da Saúde diz que aplicativo ConecteSUS só permite emissão do passaporte de vacinação em caso de doses do mesmo fabricante, mesmo após a pasta liberar a Pfizer para quem tomou antes AstraZeneca ou Coronavac

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Ministério da Saúde decidiu não fornecer, ao menos por enquanto, o certificado de vacinação por meio do aplicativo ConecteSUS para quem tomou doses de marcas diferentes de vacinas contra a covid-19. Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, pessoas que receberam a chamada imunização heteróloga não conseguem emitir o documento que comprova a conclusão do esquema vacinal via Conecte SUS.

    O governo não explica o motivo da decisão mesmo após a pasta, com o aval de especialistas, autorizar a aplicação da vacina da Pfizer como segunda dose de quem recebeu antes o imunizante da AstraZeneca ou a Coronavac.

    Em nota, o Ministério da Saúde disse que o certificado do ConecteSUS só está disponível para quem concluiu o esquema vacinal com duas doses do mesmo fabricante ou dose única. “Para quem concluiu o esquema vacinal com doses de vacinas diferentes (intercambialidade das vacinas contra covid-19) não é permitido a emissão do certificado de vacinação pelo aplicativo”, afirmou a pasta. Ao portal G1, o ministério disse que estava avaliando os casos.

    Também chamado de passaporte da vacinação, o certificado possibilita viagens ao exterior e virou uma exigência em ao menos 249 cidades brasileiras, que obrigam sua apresentação em diferentes tipos de eventos ou para acesso a estabelecimentos comerciais. Sem o documento emitido pelo ConecteSUS, é possível mostrar o cartão de vacinação , com as informações prestadas pelo agente de saúde que atestou o recebimento das doses.

    Para viagens ao exterior, no entanto, as companhias aéreas só aceitam a versão em inglês emitida pelo ConecteSUS. Quem viajar para a União Europeia tem como alternativa emitir o passaporte de vacinação do bloco via internet, usando as informações do comprovante de papel. Mas a funcionalidade nem sempre existe, ela depende do destino da viagem.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.