Petrobras eleva diesel em quase 9% a partir de quarta-feira

Estatal afirma que o reajuste ocorre após 85 dias de preços estáveis e acompanha dólar e preço internacional do barril

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Petrobras informou nesta terça-feira (28) que vai elevar o preço do diesel nas refinarias em 8,89% a partir de quarta (29), após 85 dias de estabilidade. Não houve anúncios em relação ao preço da gasolina.

    Com esse reajuste, os preços médios do diesel e da gasolina da Petrobras acumulam alta de mais de 50% em 2021. Esses avanços dos preços dos combustíveis levaram a estatal e o governo Jair Bolsonaro a sofrer forte pressão de diferentes segmentos da sociedade.

    R$ 3,06

    por litro será o valor médio do diesel vendido pela Petrobras a distribuidoras, contra os R$ 2,81 atuais

    Em nota, a empresa disse que o movimento é importante para garantir o abastecimento do combustível no país. O Brasil não consegue produzir todo o combustível que consome, dependendo então de importação para atender ao mercado. “[O aumento] reflete parte da elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio, disse a empresa na nota. A defasagem do diesel da Petrobras ante o mercado internacional, na segunda-feira (27), estava em 15%, segundo cálculos da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis). “O reajuste anunciado de 0,25 real/litro, quando a defasagem média está em 0,50 real/litro, mostra que ficar 85 dias sem ajuste não é a melhor prática”, afirmou à agência Reuters o presidente da associação, Sérgio Araújo.

    Na véspera do anúncio (27), o presidente da petrolífera, o general da reserva Joaquim Silva e Luna, já tinha feito uma coletiva de imprensa virtual para explicar a composição dos preços das bombas de combustíveis nos postos brasileiros no Brasil algo que depende do preço internacional do barril de petróleo, do valor do dólar e de uma série de outras questões, como margens de distribuidoras e revendedoras, misturas de biodiesel e tributos estaduais e federais.

    Informado o reajuste, o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), publicou nas redes sociais nesta terça-feira (28) que buscará alternativas para os preços dos combustíveis. “Amanhã vamos colocar alternativas em discussão no Colégio de Líderes. O fato é que o Brasil não pode tolerar gasolina a quase 7 reais e o gás a 120 reais, disse Lira. Entre as alternativas, cogita-se o uso de um fundo com recursos do pré-sal para um programa de subsídios que aliviem reajustes aos consumidores, uma medida que dependeria de aprovação do Congresso.

    Continue no tema:

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.