Interesse por máscara PFF2 foi impulsionado por Twitter, diz estudo

Relatório monitorou 1.500 perfis da comunidade científica brasileira na rede para avaliar a comunicação durante a pandemia de covid-19

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Um relatório do projeto Science Pulse, parte da agência de pesquisas Volt Data Lab, mostrou que o interesse no Brasil por máscaras do tipo PFF2 (também conhecidas como N95), consideradas as mais seguras contra a covid-19, foi impulsionado pelo Twitter. O relatório foi divulgado nesta quinta-feira (23) pela Agência Bori.

    A pesquisa monitorou 1.500 perfis de instituições e de especialistas brasileiros na rede social entre setembro de 2020 e agosto de 2021 para fazer um panorama da comunicação científica no Twitter durante a pandemia, levando em conta fatores como frequência de publicações e números de engajamento. Os resultados mostram uma correlação positiva entre o interesse pelas máscaras PFF2 ou N95 no Google Trends, que mede tendências de busca, e as menções de especialistas sobre o tema no Twitter ao longo do período.

    Dessa forma, os autores da análise consideram que os divulgadores científicos presentes na rede social podem ter contribuído diretamente para um maior interesse dos brasileiros pelo uso dessas máscaras na pandemia. Outro indicativo que apoia essa tese é a popularização do termo PFF2, que sempre predominou as mensagens feitas pelos perfis monitorados pelo Science Pulse. Em maio de 2021, as buscas no Google pelo termo PFF2 superaram a sigla N95 entre o público geral – segundo o relatório, isso sugere que os divulgadores contribuíram na disseminação desse interesse. Ainda assim, a pesquisa faz a ressalva de que não é possível afirmar que os perfis do Twitter são o único ou o principal fator para tanto.

    Em abril de 2021, um grupo de pesquisadores do Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo) publicou no periódico Aerosol Science and Technology um estudo que compara a eficácia dos principais modelos de máscaras utilizados no país, encontrados em farmácias e lojas de comércio popular.

    As máscaras N95 ou PFF2 se mostraram as mais eficazes em filtrar partículas, com um percentual médio de 94% de eficiência de filtragem e uma variação de 90% a 98%. Já as máscaras cirúrgicas e aquelas com a tecnologia TNT, apesar do alto percentual médio de eficiência de filtragem, apresentaram uma variação maior dependendo do modelo.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.