CPI marca depoimento de Luciano Hang, dono da Havan

Empresário deve comparecer em 29 de setembro. Comissão apura se ele disseminou notícias falsas sobre a covid e se sabia de suposta exclusão da doença como causa da morte de sua mãe, denúncia feita por ex-funcionários da Prevent Senior

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A CPI da Covid no Senado marcou para 29 de setembro o depoimento do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan. A convocação dele tinha sido aprovada em junho, mas a definição de uma data ainda seguia pendente.

    Ao convocar Hang, um conhecido apoiador do governo Bolsonaro, a CPI quer esclarecer dois pontos: se ele esteve envolvido na disseminação de notícias falsas sobre a covid-19 e se sabia de uma suposta alteração nos registros médicos de sua mãe, Regina Hang, morta em fevereiro em um hospital da Prevent Senior. Um dossiê elaborado por médicos que trabalharam para o plano de saúde afirma que a empresa omitiu a covid-19 como causa da morte dela.

    Por causa dessa e de outras suspeitas, o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, passou de testemunha para investigado pela CPI na quarta-feira (22). A decisão foi anunciada pelo relator da comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), após Batista Júnior admitir à CPI que a empresa orientou médicos a alterar prontuários de pacientes com coronavírus.

    A determinação era de mudar o código CID (Classificação Internacional de Doenças) no diagnóstico de pacientes com covid-19 após 14 ou 21 dias da entrada no hospital, a depender do histórico de internação — o prazo maior foi instruído no caso de pessoas com passagem em UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Segundo o diretor da Prevent Senior, a medida servia para identificar pacientes que não representavam mais risco de contágio para médicos e funcionários. Os senadores da comissão, no entanto, entenderam que a prática representa manipulação de dados para subnotificar casos e mortes provocadas pela covid-19.

    No depoimento, Batista Júnior negou que a empresa tenha deixado de relatar mortes pela doença, como aponta um dossiê elaborado por médicos e ex-médicos da Prevent Senior enviado à CPI. O documento afirma que a empresa fez estudos sem autorização com remédios ineficazes contra a covid – como hidroxicloroquina e azitromicina – e ocultou mortes de pacientes causadas pela doença durante a pandemia. A informação foi divulgada em 16 de setembro pela Globonews.

    A marcação do depoimento de Hang nesta quinta (23) gerou uma briga entre os senadores Renan Calheiros e Jorginho Mello (PL-SC). Mello, que apoia o governo Bolsonaro, chamou o colega parlamentar de “ladrão vagabundo” por estar “importunando um empresário decente”. A discussão foi acalorada e o sinal de áudio da TV Senado foi interrompido por alguns minutos.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.