Na reta final, CPI da Covid adia apresentação de relatório

A expectativa agora é de que o documento seja apresentado em outubro. A comissão deve ouvir nesta semana o diretor executivo da Prevent Senior

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), decidiu adiar a apresentação do seu relatório para que seja possível incluir informações dos dados da busca e apreensão realizada na sexta-feira (17) em endereços da empresa Precisa Medicamentos, que intermediou a compra da vacina Covaxin.

    Inicialmente, a apresentação do relatório estava prevista para até 24 de setembro. A assessoria do senador disse nesta segunda-feira (20) que ainda não há uma nova data para apresentação do relatório, mas o mais provável é que aconteça na primeira semana de outubro.

    Na reta final dos trabalhos, a CPI da Covid deve ouvir na terça-feira (21) o ministro da CGU (Controladoria-Geral da União) Wagner de Campos Rosário. Os senadores do grupo majoritário da comissão esperam que ele dê explicações sobre a suposta omissão da CGU em relação a possíveis irregularidades do Ministério da Saúde.

    Na quarta-feira (22), é aguardado para depor o diretor executivo da Prevent Senior Pedro Benedito Batista Júnior, que foi convocado para esclarecer, entre outros pontos, o uso do chamado “kit covid”, composto por medicamentos ineficazes contra a doença, em hospitais da seguradora. Um dossiê elaborado por médicos e ex-médicos da Prevent Senior enviado à CPI indica que a empresa fez tratamentos sem autorização com remédios ineficazes e ocultou mortes de pacientes durante a pandemia. A empresa nega irregularidades.

    Apesar de não confirmada, existe também a possibilidade de que Danilo Trento, diretor de relações institucionais da Precisa Medicamentos, também deponha na quinta-feira (23). A Precisa é investigada por suspeitas de propina e superfaturamento no contrato com o Ministério da Saúde, que foi cancelado depois que as supostas irregularidades vieram a público.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.