Bolsonaro chega a Nova York para Assembleia Geral da ONU

Presidente fará discurso de abertura do encontro de líderes. Mandatário brasileiro poderá participar do evento mesmo sem estar imunizado

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O presidente Jair Bolsonaro chegou no domingo (19) a Nova York, onde participa da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Bolsonaro poderá comparecer ao encontro de líderes mesmo sem ter se vacinado contra a covid-19. Havia protestos na porta do hotel onde sua comitiva se hospedou.

    Na terça-feira (21), o presidente brasileiro fará o discurso de abertura do evento. Espera-se que o pronunciamento aborde temas ligados à pandemia e ao meio ambiente. Bolsonaro afirmou que aproveitará a oportunidade para defender a tese do “marco temporal”, que estabelece limites à demarcação de terras indígenas. O tema está sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

    Além dos compromissos envolvendo a Assembleia Geral, Bolsonaro cumprirá outras agendas nos EUA. Na segunda-feira (20), o presidente se reunirá com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e, posteriormente, comparecerá a uma recepção oferecida pelo representante do Brasil junto às Nações Unidas. Bolsonaro também se encontrará na terça (21) com Andrzej Sebastian Duda, presidente ultraconservador da Polônia.

    Havia uma dúvida se Bolsonaro poderia participar da assembleia uma vez que ele não se vacinou contra a covid-19. Inicialmente, a prefeitura de Nova York havia exigido prova de imunização a todas as pessoas que participassem do evento. Apesar de recomendar a vacinação, a ONU dispensou a exigência. Como a organização detém o status de território internacional, o que faz com que não esteja sujeita às regras de nenhum país específico, não há impedimentos para que o mandatário brasileiro compareça ao encontro.

    Ainda assim, a embaixadora dos EUA na ONU pediu para que chefes de Estado sejam responsáveis e para que se certifiquem de que suas ações não prejudiquem a saúde e segurança da população de Nova York e dos participantes da assembleia. E, devido à legislação local, Bolsonaro enfrenta problemas para frequentar outros espaços da cidade, cujo acesso a locais públicos e privados é condicionado à imunização contra o novo coronavírus. No domingo (19), por exemplo, ele jantou pizza na calçada de um restaurante próximo do hotel onde está hospedado. A comitiva que comeu na calçada contava com o ministro da Saúde brasileiro, Marcelo Queiroga.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.