Temer ri de paródia de Bolsonaro em jantar com empresários

Humorista André Marinho, filho de um bolsonarista dissidente, debochou da nota divulgada pelo presidente para amenizar os ataques às instituições feitas durante atos governistas de 7 de setembro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Em um vídeo que circula nas redes sociais, o ex-presidente Michel Temer (MDB) dá risada de uma imitação de Jair Bolsonaro feita pelo humorista André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, um ex-aliado do presidente, durante um jantar na casa do investidor Naji Nahas na segunda-feira (13).

    Na paródia, Marinho debocha da “declaração à nação” divulgada em 9 de setembro por Bolsonaro, em que o presidente minimizou os ataques que fez às instituições democráticas durante os atos governistas de 7 de setembro. A nota apaziguadora foi ideia de Temer, que tem agido como conselheiro do chefe do Executivo. O humorista sugere que as intenções reais de Bolsonaro seriam de redobrar as ameaças ao Supremo:

    E essa cartinha que eu recebi, é tua? Achei ela meio infantil, meio marica, eu estou achando que foi o Michelzinho [filho de 12 anos de Temer] que mandou para mim. Cadê a parte que eu combinei contigo de queimar o STF? Cadê a parte que eu combinei de roubar as perucas do Fux? Cadê a parte que eu combinei de botar o pau de arara na Praça dos Três Poderes e dar de chicote no lombo de Alexandre de Moraes? Assim não vai dar!

    André Marinho

    humorista e integrante do programa Pânico na rádio Jovem Pan, em imitação do presidente Jair Bolsonaro

    Paulo Marinho, pai do humorista, que é filiado ao PSDB e elegeu-se suplente de Flávio Bolsonaro (Patriota) no Senado em 2018, foi um aliado próximo do presidente na campanha daquele ano. Sua casa foi usada como estúdio para as filmagens das peças publicitárias do então candidato do PSL. Marinho era muito próximo de Gustavo Bebianno, homem-forte da campanha de Bolsonaro que foi defenestrado da Secretaria-Geral da Presidência da República ainda em 2019, depois de brigar com o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos), outro filho do presidente.

    Ne esteira de Bebianno, Marinho e Bolsonaro também romperam. O empresário então se aproximou do governador de São Paulo João Doria, outro ex-bolsonarista, e passou a fazer oposição ao governo. Em 2020, ele disse à imprensa que Flávio teria recebido informações privilegiadas da Polícia Federal sobre seu ex-assessor Fabrício Queiroz no caso das rachadinhas, e chegou a prestar depoimento no inquérito do Supremo que investiga a interferência do presidente no órgão.

    Segundo informações do site Poder360, foi o próprio Paulo Marinho quem divulgou à mídia o vídeo do jantar com Michel Temer, gravado pelo assessor do ex-presidente, Elsinho Mouco. Ainda de acordo com o site, foi Temer quem organizou o evento, do qual também participaram, entre outros:

    • Naji Nahas, empresário e investidor
    • Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD
    • Johnny Saad, presidente do Grupo Bandeirantes
    • Roberto D’Ávila, jornalista e diretor da Globo News
    • Antonio Carlos Pereira, ex-editorialista do jornal O Estado de S.Paulo
    • Raul Cutait, cirurgião do hospital Sírio-Libanês
    • José Yunes, ex-deputado federal e advogado

    ESTAVA ERRADO: A versão anterior deste texto dizia que Antonio Carlos Pereira trabalha como editorialista do jornal O Estado de S.Paulo. Na verdade, ele se aposentou. A informação foi corrigida às 15h25 do dia 14 de setembro de 2021.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.