Sindicato mundial de jogadores critica Copa a cada dois anos

Entidade considera que proposta em estudo pela Fifa é inadequada sem redução do calendário atual do futebol no mundo

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Temas

    O FifPro, sindicato mundial dos jogadores profissionais de futebol, criticou nesta terça-feira (14) a ideia de criar uma Copa do Mundo a cada dois anos sem que sejam realizadas mudanças no calendário do esporte. A Fifa (Federação Internacional de Futebol) estuda a viabilidade de transformar o Mundial em um evento bienal e já tem um plano pronto, segundo o portal UOL.

    Em comunicado divulgado nesta terça (14), o sindicato disse que qualquer expansão do calendário deve incluir salvaguardas adequadas para a saúde dos jogadores e que as reformas precisam facilitar o desenvolvimento do futebol masculino e feminino.

    As propostas que consideram expansões adicionais (...) são inadequadas na ausência de soluções para os problemas existentes, afirma o comunicado.Sem a concordância dos jogadores, que dão vida a todas as competições em campo, essas reformas não terão a legitimidade necessária. O debate atual, mais uma vez, segue um processo e uma abordagem falhos.

    A proposta da Fifa de realizar as Copas do Mundo masculina e feminina a cada dois anos, em vez de quatro, foi recebida com reações diferentes nas confederações e federações nacionais. Aleksander Ceferin, o presidente da Uefa, entidade máxima do futebol na Europa, alertou que países do continente poderiam boicotar o evento caso se tornasse bienal. Já a sul-americana Conmebol disse que a mudança é inviável.

    Por outro lado, a Confederação Asiática de Futebol deu as boas-vindas ao estudo de viabilidade, enquanto a Concacaf (Confederação das Associações de Futebol da América do Norte, Central e do Caribe) reconheceu os méritos de criar um novo calendário. Já presidente da Confederação Africana de Futebol, Patrice Motsepe, disse que as discussões devem continuar com a mente aberta.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.