Reino Unido e Dinamarca deixam de exigir comprovante de vacinação

Decisão vai na contramão de outros países do mundo, que demandam o documento mesmo com vacinação avançada

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Na contramão da maior parte dos países europeus, que ainda impõem medidas bastante restritivas para frear a pandemia, o Reino Unido e a Dinamarca não exigirão mais o comprovante de vacinação para acesso a eventos e estabelecimentos. Na Dinamarca, o passe vigorava desde março, mas foi extinto em 1º de setembro para a maior parte dos estabelecimentos e, na sexta-feira (10), deixou de valer para a entrada em boates. Já no Reino Unido, a exigência do comprovante para locais de grandes aglomerações, como casas noturnas e estádios, entraria em vigor no fim de setembro, mas a ideia foi abandonada neste domingo (12). Os dois países apontam o sucesso no controle da pandemia como justificativa para dispensar a medida.

    Cerca de 73% dos dinamarqueses já receberam as duas doses da vacina contra a covid-19 e, graças às restrições que o país adotou desde o início da pandemia, a taxa de contágio também é baixa. Estamos definitivamente na vanguarda, porque não temos mais restrições, afirmou o promotor de um show à agência France Press. O país também liberou a população do uso de máscaras e eventos com mais de 50 mil pessoas já são permitidos.

    Já o Reino Unido ostenta uma taxa de imunização de 80% da população adulta. Outros 9% já tomaram ao menos a primeira dose. Apesar disso, a pandemia ainda não está totalmente controlada por lá. Segundo a rádio francesa RFI, o Reino Unido segue registrando mais de 40 mil novos casos da covid-19 diariamente. Por isso, a dispensa do comprovante de vacinação está sendo lida também como uma decisão política, tomada para arrefecer as críticas da população e de alguns setores políticos. Em entrevista à BBC, o secretário de Saúde, Sajid Javid, afirmou que nunca gostou da ideia de dizer às pessoas para mostrarem seus papéis em atividades de rotina.

    A decisão anunciada pelo ministro neste domingo (12) se aplica à Inglaterra, mas as outras nações que compõem o Reino Unido Gales, Irlanda do Norte e Escócia não são obrigadas a segui-la. A Escócia, que assiste a um aumento de casos depois da volta às aulas deve manter a decisão de exigir o passe de vacinação em boates e eventos.

    Enquanto Inglaterra e Dinamarca flexibilizam as regras de comprovação da vacina, outros países as tornam ainda mais rígidas. A França, que atravessa uma onda de protestos contra a medida, tornará obrigatório a partir desta quarta (15) o comprovante de vacinação para profissionais da saúde. Já Israel, um dos países mais avançados do mundo na imunização, estendeu a exigência do passe para crianças a partir de 3 anos de idade. No caso de crianças menores de 12 anos, que ainda não podem receber o imunizante, será necessário a apresentação de um teste com resultado negativo. Ao longo deste ano, Israel chegou a zerar os novos casos de covid em alguns dias, mas em agosto voltou a bater recordes de quase 8.000 novos casos diários.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.