Marvel rompe com ilustrador brasileiro autor de obra pró-Bolsonaro

Joe Bennett coleciona polêmicas dentro e fora da editora. No início do ano, a Marvel e o ilustrador precisaram se retratar por conta de uma imagem antissemita

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Marvel Comics anunciou nesta sexta-feira (10) que o ilustrador brasileiro Benedito José Nascimento, conhecido pelo pseudônimo Joe Bennett, não é mais colaborador da editora. Bennett trabalhava para a Marvel Comics desde 1994 e já havia ilustrado quadrinhos dos personagens mais famosos da editora como os Vingadores e o Homem-Aranha. O trabalho que lhe rendeu mais reconhecimento, no entanto, foram suas ilustrações para a revista O imortal Hulk. No anúncio do desligamento, a empresa reforça que o brasileiro foi excluído de qualquer trabalho futuro da editora.

    Bennett deixa a Marvel colecionando uma série de polêmicas dentro e fora da editora, como referências antissemitas em histórias do Hulk e o apoio controverso ao presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais. A Marvel Comics não explicitou no comunicado o motivo do desligamento, mas ele acontece uma semana depois que o roteirista americano Al Ewing, parceiro de Bennett em O Imortal Hulk, fez uma série de postagens no Twitter relembrando obras polêmicas do ilustrador. O roteirista deixou claro que não voltará a trabalhar com o ilustrador brasileiro e condenou seus posicionamentos.Esta não foi a primeira vez que tive ciência de um problema com o Joe. Eu tenho falado nos bastidores, mas isso não conforta as pessoas que são as vítimas dessa propaganda brutal, afirmou Ewing.

    Uma das ilustrações apontadas por Al Ewing nas suas redes sociais foi compartilhada por Bennett em 2018 e voltou a circular nas últimas semanas. A imagem representa o presidente Jair Bolsonaro em um cavalo, empunhando uma espada. Aos seus pés, figuras políticas como os ex-presidentes Lula e Dilma aparecem fugindo, com feições de ratos. Na legenda, Bennett escreveu: “Força, meu capitão! O Brasil precisa de ti!”. A retratação de opositores como ratos foi lida por muitas pessoas como uma referência ao nazismo, já que judeus eram retratados dessa maneira na Alemanha durante o período.

    Não foi a primeira obra de Bennett com referências antissemitas e nem a primeira polêmica envolvendo a política nacional. Em 2019, o ilustrador apoiou nas redes sociais um ataque homofóbico sofrido pelo jornalista Glenn Greenwald, e acabou se desculpando e apagando os comentários. No ano seguinte, envolveu-se em outra discussão quando postou uma imagem da Mulher-Hulk e apoiou comentários transfóbicos de seus seguidores.

    Já em fevereiro de 2021, a Marvel Comics precisou ir a público desculpar-se por uma ilustração feita por Bennett. Na edição nº 43 de O imortal Hulk”, Bennett incluiu uma referência antissemita em uma das ilustrações. O ilustrador desenhou uma Estrela de Davi na vidraça de uma joalheria acompanhada da palavra Jewery, que no inglês é considerada uma referência pejorativa aos judeus. Em um comunicado, Bennett justificou o uso da palavra como um erro de ortografia e assumiu a culpa apenas pelo uso da Estrela de Davi. Já a Marvel Comics corrigiu a imagem em publicações digitais e ofereceu uma nova versão impressa sem custo.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.