Homenagem aos 20 anos do 11 de Setembro tem silêncio e luto

Presidente americano gravou vídeo em homenagem às vítimas dos atentados e reconheceu que os ataques despertaram violência contra comunidades islâmicas

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Americanos participam neste sábado (11) de cerimônias em homenagem às vítimas dos atentados terroristas às Torres Gêmeas e ao Pentágono. Os ataques de 11 de Setembro de 2001 deixaram 2.977 pessoas mortas e outros milhares de feridos nos Estados Unidos. Em Nova York, um minuto de silêncio foi feito para marcar o momento em que o primeiro avião atingiu o World Trade Center às 9h46 (horário de Brasília). Às 10h03 houve outro minuto de silêncio para marcar o impacto do segundo avião. Luto marcou a cerimônia, em que também foram lidos os nomes de todas as vítimas fatais dos ataques.

    Na noite de sexta-feira (10), véspera do aniversário de 20 anos dos atentados, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prestou uma homenagem às vítimas dos ataques de 11 de Setembro em discurso divulgado pela Casa Branca.

    Em seu discurso, o presidente americano lembrou não apenas das vítimas diretas e de seus famíliares, mas também daqueles que doaram minutos, horas, meses e anos seguintes ao atentado para resgatar as vítimas e tratar os feridos. O presidente dirigiu-se especialmente aos bombeiros, policiais, médicos, enfermeiros e outros profissionais que trabalharam no resgate, recuperação e reconstrução após a tragédia.

    “Não importa quanto tempo tenha passado, essas homenagens trazem toda a dor de volta, como se você tivesse recebido a notícia alguns segundos atrás”

    Joe Biden

    presidente dos Estados Unidos em discurso divulgado pela Casa Branca em 10 de setembro de 2021

    Biden destacou que os dias que se seguiram aos atentados do 11 de setembro foram marcados por atos de heroísmo e por um verdadeiro senso de união, mas, por outro lado, o presidente também reconheceu que os atentados despertaram “as forças mais negras da natureza humana. Medo, raiva, ressentimento e violência contra comunidades islâmicas, verdadeiros seguidores de uma religião pacífica”.

    Ao longo deste sábado (11), o presidente americano e a primeira dama, Jill Biden, visitam os locais dos ataques – o memorial onde ficavam as torres do World Trade Center, em Nova York, os arredores da sede do Pentágono, na Virgínia, e Shanksville, na Pensilvânia, onde um terceiro avião que tinha como alvo a Casa Branca foi derrubado pelos próprios passageiros. Biden também está acompanhado dos ex-presidentes Barack Obama e Bill Clinton.

    Os ataques cometidos pelo grupo terrorista Al Qaeda em 11 de setembro de 2001 são considerados os maiores atentados da história americana. Nos últimos 20 anos, os reflexos desse episódio incidiram sobre o mundo todo, com a declaração da guerra ao terror pelos Estados Unidos. A resposta dos americanos ao terrorismo afeta, direta ou indiretamente, a vida de milhares de pessoas em diferentes países e mudou a percepção sobre segurança pública e até sobre direitos humanos.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.