Bancos desistem de deixar entidade que assinou carta pela democracia

Banco do Brasil e Caixa Econômica haviam ameaçado desligamento após Febraban assinar manifesto em defesa da harmonia entre os Poderes

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal desistiram da ameaça feita no sábado (28) de se desassociar da Febraban (Federação Brasileira de Bancos). O recuo acontece por determinação do presidente Jair Bolsonaro, segundo o portal G1. No fim de semana, o presidente havia dado aval para que os bancos saíssem da entidade.

    A ameaça de desligamento foi feita após a Febraban assinar um manifesto articulado pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) em defesa da harmonia entre os Poderes no Brasil. Diretores do Banco do Brasil e da Caixa viram o texto como uma crítica ao governo Bolsonaro, que tem feito ameaças de ruptura democrática, apesar de o nome do presidente não ser citado no documento.

    A Fiesp decidiu adiar o manifesto devido a uma intervenção de Arthur Lira (PP), presidente da Câmara dos Deputados, que pediu que o texto só fosse divulgado após o 7 de Setembro, dia em que serão realizadas manifestações de apoio ao presidente. Após o anúncio do adiamento na segunda-feira (30), entidades do setor de agronegócio divulgaram uma carta independente, defendendo o Estado democrático de Direito que assegura a liberdade empreendedora essencial numa economia capitalista.

    Na noite de quinta-feira (2), a Febraban divulgou uma nota reiterando o endosso ao conteúdo do manifesto, e disse que sua “única finalidade é defender a harmonia do ambiente institucional no país”. Mas afirmou também que respeita o posicionamento do Banco do Brasil e da Caixa e buscou se afastar das decisões da Fiesp. “O assunto está encerrado”, disse a nota.

    O Banco do Brasil comunicou na sexta-feira (3) que “não tem intenção de se desassociar da Federação”, citando “negociações respeitosas” realizadas entre os membros da entidade ao longo da semana. A Caixa Econômica Federal ainda não confirmou oficialmente sua permanência na entidade.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.