Variante delta faz cidade do Rio adiar novas etapas da reabertura

Prefeitura carioca vai manter proibição, por prazo indeterminado, de torcida em estádios e eventos em locais abertos, entre outras medidas. Estado é epicentro de cepa mais transmissível do vírus no Brasil

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Temas

    Em decorrência do avanço da variante delta do coronavírus, a cidade do Rio de Janeiro adiou, nesta quinta-feira (26), por tempo indeterminado, o início do plano de retomada gradual das atividades, previsto para começar na primeira semana de setembro.

    A decisão foi tomada em atendimento às recomendações do comitê científico formado por especialistas que assessoram a prefeitura carioca na adoção de medidas de combate à pandemia de covid-19. O comitê já havia recomendado a aplicação de uma terceira dose da vacina contra a doença em idosos, público considerado mais vulnerável diante do avanço de novas variantes.

    O plano original de retomada previa que, a partir de 2 de setembro, estariam liberados os eventos públicos em locais abertos e a presença de 50% da lotação em estádios de futebol, boates, danceterias e casas de shows. Em outubro, a prefeitura pretendia autorizar 100% da capacidade e, em novembro, desobrigar o uso de máscaras. Com a suspensão da reabertura, todas essas restrições permanecem em vigor.

    "Diante do recente aumento do número de casos da doença devido à circulação da variante delta, do retorno de todo o mapa de risco para alerta moderado e da recomendação do Comitê Especial de Enfrentamento da covid-19, o plano de reabertura foi adiado", disse a Secretaria Municipal de Saúde em nota. "Desde o primeiro anúncio sobre o plano de reabertura, foi frisado que essas medidas estavam condicionadas a um cenário epidemiológico favorável. Em não confirmando essas condições, o planejamento poderia ser revisto", frisou a secretaria.

    Não há previsão de quando as medidas de reabertura serão implementadas. "Estamos analisando os dados aqui para poder replanejar. Não sabemos (quando será possível a retomada)", disse à agência Reuters o secretário de saúde da cidade, Daniel Soranz. "Já era esperada (uma piora no cenário epidemiológico) com a chegada do inverno e uma variante", adicionou ele. A cidade e o Estado do Rio se tornaram, em agosto, o epicentro no Brasil da variante delta do coronavírus, apontada como altamente transmissível, e houve um aumento expressivo no número de casos e internações.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.