Pfizer assina acordo para fabricar vacina no Brasil

Farmacêutica americana anuncia parceria com a Eurofarma para produzir imunizante contra a covid-19 localmente. Início da operação está previsto para 2022

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A americana Pfizer e sua parceira alemã BioNTech assinaram um acordo com a farmacêutica brasileira Eurofarma para fabricar no Brasil a vacina contra covid-19. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (26), com a oficialização de uma carta de intenção para o negócio.

    De acordo com as empresas, a implementação das tecnologias necessárias começará imediatamente. A previsão é de que a operação tenha início em 2022, com uma fábrica capaz de produzir 100 milhões de doses por ano. A Eurofarma não especificou em qual de suas fábricas a parceria será instalada. A empresa tem dois grandes complexos industriais, um em Itapevi, região metropolitana de São Paulo, e outro em Ribeirão Preto, interior do estado.

    Além de aumentar o volume de produção, o acordo vai agilizar a distribuição da vacina na América Latina. “A parceria de hoje é um passo importante para ampliar o acesso às vacinas na América Latina e além, expandindo nossa rede de fabricação global”, disse Ugur Sahin, CEO da BioNTech. “Todos – independentemente da condição financeira, etnia, religião ou geografia, merecem acesso às vacinas contra a covid-19 que salvam vidas", afirmou Albert Bourla, presidente da Pfizer.

    A vacina da Pfizer é uma das quatro que estão sendo aplicadas no Brasil e a primeira a ter recebido o registro definitivo por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O país, por meio do Ministério da Saúde, comprou 200 milhões de doses do imunizante.

    O acordo envolve a fabricação completa da vacina em território nacional. Atualmente, dois dos imunizantes aplicados no Brasil são envasados no país: o da AstraZeneca, por meio da Fundação Oswaldo Cruz, vinculada ao governo federal, cujo início de produção integralmente brasileira está previsto para novembro; e a Coronavac, por intermédio do Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, com início de fabricação total em São Paulo esperado para abril de 2022.

    Continue no tema:

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.