Novo tumulto no aeroporto de Cabul deixa 7 mortos

Milhares de pessoas seguem tentando deixar a capital do Afeganistão uma semana após o Taleban retomar o controle do país.  Ministério da Defesa do Reino Unido diz que condições do local são ‘extremamente desafiadoras’

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Sete pessoas morreram durante um novo tumulto nos arredores do aeroporto de Cabul neste sábado (21) segundo informações divulgadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido. Milhares seguem tentando deixar a capital do Afeganistão uma semana após o grupo fundamentalista islâmico Taleban retomar o controle do país.

    Tropas dos Estados Unidos, de países aliados e da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) estão no local desde segunda (15) para ajudar a evacuar estrangeiros e afegãos. No entanto, não têm sido capazes de organizar a retirada e cenas de caos têm se acumulado ao longo dos últimos dias. Já são pelo menos 20 civis mortos durante os tumultos, segundo cálculos da própria Otan. Em um comunicado publicado neste domingo (22), o governo britânico afirmou que as condições no aeroporto são “extremamente desafiadoras” e que está fazendo o possível para “gerenciar a situação da forma mais segura e protegida”.

    O Taleban, por sua vez, culpa os americanos pela desordem no local. Neste domingo, membros do grupo tentaram ordenar a situação por meio de disparos para o alto. “Os Estados Unidos, com toda as suas forças e meios, não conseguiram impor ordem no aeroporto. A paz e a ordem reinam em todo o país, mas só há caos no aeroporto de Cabul”, afirmou a agências de notícias Amir Khan Mutaqi, um dos líderes da organização.

    Também no domingo, o secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, disse ao jornal Daily Mail que a menos que o prazo estabelecido pelos EUA para deixar o Afeganistão seja ampliado, não haverá tempo para evacuar todas as pessoas que querem deixar o país. Wallace afirmou que o Reino Unido dará “completo apoio” aos EUA caso o país decida adiar a saída de suas tropas, que está prevista para 31 de agosto.

    O presidente americano, Joe Biden, vem sendo pressionado a rever o plano de retirada em meio ao caos e após o avanço rápido do Taleban. O acordo foi negociado por seu antecessor, Donald Trump, em 2019, e inicialmente previa a saída das tropas americanas em maio. O prazo foi estendido para 11 de setembro, mas a tomada do poder pelo grupo fundamentalista fez com que os EUA antecipassem sua saída do Afeganistão. Em aparições públicas durante a última semana, Biden culpou os afegãos pela volta do Taleban ao poder.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.