Câmara dos Deputados cassa o mandato de Flordelis

A agora ex-deputada federal é acusada de mandar matar o marido em 2019, caso que ainda aguarda julgamento

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Por 437 votos a favor e 7 contra, a Câmara dos Deputados cassou nesta quarta-feira (11) o mandato da agora ex-deputada federal Flordelis (PSD-RJ). A votação no plenário teve ainda 12 abstenções. A maioria dos deputados considerou que ela quebrou o decoro parlamentar.

    Flordelis está sendo processada criminalmente sob a acusação de ser a mandante do assassinato de seu marido, Anderson do Carmo, em 16 junho de 2019. Ela responde pelos crimes de tentativa de homicídio, homicídio triplamente qualificado, associação criminosa armada e uso de documento falso. Desde 2020, a ex-deputada é monitorada por tornozeleira eletrônica.

    A defesa de Flordelis pediu aos deputados que, em vez da cassação, ela tivesse o mandato suspenso até seu julgamento pelo Tribunal do Júri. Na terça-feira (10), em uma tentativa de se defender, ela enviou uma carta aos parlamentares pedindo “uma chance”. Antes da votação no plenário nesta quarta (11), Flordelis disse que seu julgamento foi baseado em “palavras sem provas” e defendeu sua inocência.

    Apesar de o caso da morte de Anderson do Carmo ainda não ter sido julgado, os deputados favoráveis à cassação consideraram que a postura de Flordelis durante as investigações acabou ferindo o Código de Ética da Câmara. Para o relator do processo, Alexandre Leite (DEM-SP), a ex-deputada usou seu cargo para coagir testemunhas e ocultar provas.

    Leite disse também que a acusação contra Flordelis só foi utilizada no processo de cassação porque existem elementos comprovando que ela usou sua condição de parlamentar para se beneficiar. A cassação do mandato de Flordelis já havia sido aprovada pelo Conselho de Ética em 8 de junho, mas a decisão final cabia ao plenário da Câmara

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.