Câmara aprova projeto que autoriza privatização dos Correios

Proposta defendida pelo governo federal agora será analisada pelo Senado. Ministério da Economia quer fazer leilão da estatal em 2022

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (5) o projeto que abre caminho para a privatização dos Correios, em uma vitória para a equipe econômica do governo Bolsonaro, e sob críticas da oposição. A proposta, que recebeu 256 a 173 no plenário, segue para análise do Senado.

    O projeto, relatado pelo deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), quebra o monopólio dos Correios e abre a empresa para o capital privado. As privatizações são uma das principais agendas do ministro da Economia, Paulo Guedes.

    Com a venda dos Correios, o novo operador da empresa irá operar os serviços postais por meio de um contrato de concessão regulado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Ele precisará manter a universalização desses serviços, mesmo em áreas remotas.

    Caso o projeto seja aprovado no Senado, o governo planeja fazer o leilão da estatal em 2022. O objetivo é se desfazer de 100% da empresa, segundo o jornal O Estado de S.Paulo. A equipe econômica não tem estimativa de quanto pode ser arrecadado com a venda.

    Atualmente os Correios atuam em todo o Brasil com 11.555 agências, 1.088 centros de distribuição e quase 100 mil funcionários. Apesar de ter acumulado prejuízos entre 2013 e 2016, a estatal registra resultados positivos nos balanços anuais desde 2017.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.