Museu da Língua Portuguesa é reaberto em São Paulo

Ex-presidentes brasileiros e o atual presidente de Portugal participaram da cerimônia de reinauguração

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Mais de cinco anos depois de um grande incêndio que destruiu parte do acervo e do prédio tombado que o abrigava, em dezembro de 2015, o Museu da Língua Portuguesa foi reinaugurado neste sábado (31). O museu fica na região central de São Paulo, ao lado da Estação da Luz. A reinauguração acontece na mesma semana em que um incêndio destruiu um depósito da Cinemateca Brasileira, outra importante instituição de preservação da cultura nacional.

    A cerimônia de reabertura foi exclusiva para convidados e seguiu normas para evitar a contaminação pela covid-19. Além do prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), do governador João Dória (PSDB) e do secretário estadual de Cultura, Sérgio Sá Leitão, também marcaram presença os ex-presidentes brasileiros Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso. Autoridades de outros países de língua portuguesa, como o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, também vieram ao Brasil para o evento. O presidente Jair Bolsonaro foi convidado, mas não compareceu.

    Seis anos volvidos, aqui viemos para não esquecer as cinzas do passado, mas para a partir delas construirmos o futuro. Essa é uma celebração do futuro, o nosso futuro, o futuro da nossa língua em comum

    Marcelo Rebelo de Sousa

    presidente de Portugal, em discurso durante a reinauguração

    O presidente português homenageou a instituição com a Ordem de Camões, uma honraria concedida pelo governo do país às instituições e pessoas que prestam serviços à língua portuguesa. O Museu da Língua Portuguesa foi um dos primeiros dedicados totalmente ao tema, inaugurado pela primeira vez em 2006.

    As investigações sobre as causas do incêndio que fechou o museu em 2015 só foram concluídas no final de 2020. O inquérito apontou que o fogo surgiu a partir de uma falha em um dos holofotes que iluminavam o prédio. A construção não tinha auto de vistoria pelos Bombeiros e ainda estava processo de regularização na época do incidente. As obras para recuperação do museu começaram durante o governo de Geraldo Alckmin e foram concluídas em dezembro de 2019. A reconstrução, que custou R$ 85,5 milhões, ficou a cargo do governo do estado em parceria com a Fundação Roberto Marinho, e também recebeu apoio de instituições privadas como o Grupo Globo e o Itaú.

    A partir deste domingo (1º), o Museu da Língua Portuguesa fica aberto ao público, mas com visitas controladas e com público reduzido a grupos de 40 pessoas. Os ingressos podem ser comprados pela internet e, aos sábados, a entrada é gratuita.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.