Centrão faz apelo por moderação. E Bolsonaro ignora

O pedido de aliados veio depois da última live com ataques às urnas eletrônicas. A avaliação é que Bolsonaro pode perder ainda mais popularidade

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Depois da live de quinta-feira (29), em que Jair Bolsonaro atacou duramente o sistema eleitoral a partir de mentiras difundidas na internet, representantes dos partidos do centrão fizeram um apelo ao presidente e pediram moderação no discurso, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

    Dois dias depois, no entanto, Bolsonaro ignorou os apelos e voltou ao ataque. Durante motociata em Presidente Prudente, no interior paulista, nesta manhã deste sábado (31), o presidente disse que não aceitará uma farsa no pleito de 2022. Não há nenhuma prova do que Bolsonaro chama de farsa”, até ele admite não tê-las.

    O centrão já fez apelos para que o presidente moderasse o discurso em outras ocasiões, mas não adiantou. Nesta segunda-feira (2), Bolsonaro deve receber uma ligação do presidente do Supremo, Luis Fux, que articula uma reunião entre os Três Poderes para mitigar a crise.

    Enquanto os aliados atuava nos bastidores, com o apelos por moderação, a oposição pediu publicamente que Bolsonaro responda pelas falsas alegações feitas na live. A presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann (PR), cobrou a interpelação do presidente pela Justiça. Outros políticos como o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), vice-presidente da Câmara, e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), também foram às redes sociais criticar a live de Bolsonaro, que foi transmitida pela emissora pública TV Brasil. O discurso, segundo eles, teve motivação eleitoral.

    Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a avaliação de dirigentes do centrão é de que as acusações de fraude e as críticas às urnas eletrônicas deterioram ainda mais a popularidade de Bolsonaro. Na pesquisa mais recente do Datafolha, 59% afirmaram que não votariam de forma alguma no atual presidente, que é candidato à reeleição em 2022. O ex-presidente Lula, que também foi alvo de críticas na live, lidera as pesquisas.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.