Governo publica foto de homem armado no Dia do Agricultor

Postagem da Secom rendeu críticas nas redes sociais. Liberar mais armas é uma pauta central do presidente Jair Bolsonaro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Secom (Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República) compartilhou nesta quarta-feira (28) em seus perfis oficiais nas redes sociais uma postagem em homenagem ao Dia do Agricultor. Na imagem publicada, um homem carrega uma espingarda em meio a uma plantação. Depois de reações críticas ao uso da foto com o agricultor armado, a Secom apagou a postagem.

    “Hoje homenageamos os agricultores brasileiros, trabalhadores que não pararam durante da crise da covid-19 e garantiram comida na mesa de milhões de pessoas no Brasil e ao redor do mundo”, dizia o texto que acompanhava a foto, praticamente repetindo uma fala do presidente Jair Bolsonaro do dia 1° de maio, quando o mandatário defendeu menos multas e mais armas no campo.

    Na sequência da postagem, a Secom listou outras medidas do governo para o setor, como o Plano Safra 2021/2022, cujo incentivo é de R$ 251 bilhões, e atribuiu ao governo a “redução da invasão de terras” e a extensão do porte de armas decretada por Jair Bolsonaro ao proprietário rural.

    Desde o início do mandato do presidente, em 2019, liberar o uso de mais armas é uma das suas pautas centrais. A flexibilização já alcançou uma “magnitude inédita”, afirmou em fevereiro de 2021, em entrevista ao Nexo, o consultor Aaron Karp, representante de uma das principais organizações internacionais que monitora a produção e o comércio de armas de fogo e munições no mundo.

    Decretos que flexibilizariam ainda mais o porte e a compra de armas de fogo no Brasil foram suspensos pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal. Um projeto do Senado para sustar os decretos teve a sua votação adiada para aguardar a conclusão do julgamento pelo Supremo. A pauta deve enfrentar resistência de senadores no segundo semestre, após o retorno do recesso parlamentar.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.