Tóquio 2020 veta fotos de atletas com joelho no chão, diz jornal

Seleções femininas da Grã-Bretanha, Chile, EUA, Suécia e Nova Zelândia fizeram gesto contra o racismo, mas só TV mostrou

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Comitê Olímpico Internacional e a organização da Olimpíada de Tóquio 2020 proibiram suas equipes de mídia de publicar nas redes sociais fotos e vídeos de atletas com um joelho no chão, uma forma de protesto contra o racismo que surgiu nos EUA em 2016. A informação é do jornal britânico The Guardian, que diz ter confirmado o veto com uma fonte que trabalha nos Jogos Olímpicos.

    O ordem para nenhuma imagem de atletas com joelho no chão ser postada veio “de cima” nesta quarta-feira (21) —noite de terça no Japão —, minutos antes da partida de futebol entre as seleções femininas da Grã-Bretanha e do Chile, disse o informante ao jornal. Antes de a partida começar, jogadoras dos dois times ficaram ajoelhadas em protesto contra o racismo e discursos de ódio no esporte. Atletas dos EUA, Suécia e Nova Zelândia também fizeram o gesto em seus jogos.

    As imagens dos protestos apareceram rapidamente na transmissão ao vivo na TV, mas não foram publicadas em nenhum perfil do COI nem da Olimpíada nas redes sociais. Sites oficiais da Tóquio 2020 também não divulgaram fotos nem vídeos com as atletas ajoelhadas. Representantes do Comitê Olímpico Internacional negaram qualquer tipo de restrição por parte da instituição e da organização local.

    O COI recentemente flexibilizou restrições a manifestações políticas dos atletas. Eles foram autorizados a protestar de forma pacífica, desde que outros competidores não sejam prejudicados. A exceção é a subida ao pódio, momento em que manifestações políticas continuam vetadas.

    O gesto de ficar com um joelho no chão, popularizado em 2016 pelo jogador de futebol americano Colin Kaepernick, foi constantemente visto na Eurocopa 2020, disputada em junho. Após a final do torneio, três jogadores negros da Inglaterra receberam comentários racistas em suas redes sociais. Quatro pessoas foram presas pela polícia inglesa.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.