Índia tem até 4,9 milhões de mortes ‘extras’ na pandemia, diz estudo

Relatório aponta que número de óbitos durante a crise sanitária indica subnotificação nos dados oficiais de mortes por covid

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O excedente de mortes na Índia durante a pandemia de covid-19 pode ter chegado a 4,9 milhões, segundo um novo estudo publicado pelo Centro de Desenvolvimento Global, uma organização com sede em Washington (EUA). O número considera quantas mortes a mais foram registradas no país na pandemia, em relação à taxa de mortalidade de anos anteriores.

O relatório inclui óbitos desde o começo da crise sanitária até junho de 2021. Um dos autores é Arvind Subramanian, que já foi o principal conselheiro econômico da Índia.

O número oficial da Índia de mortos por covid-19 (414 mil) é o terceiro maior do mundo, atrás de Estados Unidos e Brasil. Mas, segundo o estudo, há uma forte suspeita de subnotificação de mortes no país. Especialistas cobram uma auditoria nacional rigorosa desses dados.

O crescimento nos casos de covid-19 em abril e maio, impulsionado em grande parte pela variante delta do vírus — mais contagiosa — sobrecarregou o sistema de saúde e matou pelo menos 170 mil pessoas apenas em maio, segundo dados oficiais.

O que é tragicamente claro é que pessoas demais, milhões em vez de centenas de milhares, podem ter morrido, diz o relatório, estimando entre 3,4 milhões e 4,9 milhões o excedente de mortes durante a pandemia. O Ministério da Saúde da Índia não comentou o novo estudo.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.