São Paulo marca novo ciclo de imunização contra covid para 2022

Secretário da Saúde do estado afirmou que vacinação contra novo coronavírus deve se tornar evento anual e anunciou que uma nova campanha deve começar em 17 de janeiro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O secretário da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, anunciou nesta segunda-feira (19) que haverá novo ciclo de vacinação contra covid-19 no estado a partir de 17 de janeiro de 2022, data em que se completa um ano da primeira aplicação de vacina no Brasil. Ele ressaltou que não se trata de um reforço ou terceira dose da vacina, que ainda não tem necessidade comprovada, mas que a imunização contra o novo coronavírus deve se tornar rotineira, assim como as campanhas de vacinação contra a gripe.

    Isto é uma necessidade que nós temos de estar sempre fazendo uma proteção. Nós estamos seguindo a prerrogativa das vacinas para vírus respiratórios como da gripe, que anualmente recebem uma imunização

    Jean Gorinchteyn

    secretário da Saúde do estado de São Paulo, em coletiva no dia 19 de julho

    Gorinchteyn afirmou que São Paulo “seguramente” seguirá com o novo ciclo de imunização e espera que o Ministério da Saúde ajude na articulação da campanha a nível federal. De acordo com o secretário, a expectativa é que o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) também indique a necessidade de um novo ciclo de vacinação em janeiro.

    “Nós entendemos que nessa articulação junto com o próprio Ministério da Saúde e o Conass, [que eles] também terão esse entendimento, para que possamos expandir essa nova fase da vacinação não apenas para São Paulo, mas para todo o país”, afirmou. Mas o governo de São Paulo, disse Gorinchteyn, começará a nova rodada de imunização mesmo sem um consenso.

    O anúncio aconteceu durante a entrega de um lote de 1 milhão de doses da vacina Coronavac produzida pelo Instituto Butantan ao PNI (Programa Nacional de Imunização) do Ministério da Saúde.

    Continue com o tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.