Condenados por destruir provas do caso Marielle são soltos

Soltura acontece na mesma semana em que um novo procurador assume as investigações do assassinato da vereadora e de Anderson Gomes

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Elaine Lessa, Márcio Montavano, Bruno Figueiredo e Josinaldo Freitas foram soltos pela Justiça do Rio de Janeiro na sexta-feira (16), menos de uma semana depois de serem condenados pela destruição de provas do assassinato de Marielle Franco. Elaine, que é esposa do policial Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora e o motorista Anderson Gomes, voltou a ser presa neste domingo (18) por tráfico internacional de armas. Ronnie também foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão pela destruição de provas e no domingo também teve uma nova prisão decretada pela Justiça Federal junto com Elaine, mas permance cumprindo pena na penitenciária de segurança máxima de Porto Velho, já que responde também pelo assassinato de Marielle.

    Já os outros três envolvidos tiveram as penas em regime fechado convertidas em penas de direitos restritivos. Eles prestarão serviços à comunidade e terão que passar cinco horas diárias, aos sábados e domingos, em uma instituição definida pela Vara de Execuções Penais.

    Informações do Tribunal de Justiça apontam que os quatro condenados soltos no sábado realizaram uma operação em março de 2019 para retirar e destruir armas de Ronnie, guardadas em um apartamento na zona oeste do Rio. Dias depois, apontam as investigações, as armas foram descartadas no mar, em um ponto próximo ao Arquipélago das Ilhas Tijucas. É possível que entre essas armas estivesse a submetralhadora que matou Marielle e Anderson.

    A soltura aconteceu na mesma semana em que o promotor Bruno Gangoni assume temporariamente as investigações pelos assassinatos. O anúncio foi feito pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no sábado (17). Gangoni assume o lugar das promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile, que estavam no caso desde 2018 mas pediram para deixá-lo há uma semana. A dupla saiu por divergir da condução das investigações e apontou riscos de interferência externa.

    Embora tenha lamentado a saída das promotoras durante a semana, Anielle Franco, irmã de Marille, se mostrou otimista com a escolha de Gangoni para assumir o caso. Ficamos com mais confiança por saber que é alguém que já estava acompanhando desde o início, acredito que ele tenha assumido até por isso, afirmou em entrevista à CNN. Marielle Franco foi assassinada em 14 de março de 2018. Até hoje, os investigadores ainda não chegaram aos mandantes do crime.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.