Os benefícios de deixar a mente se perder em devaneios

Pensamentos espontâneos ocupam até 50% do tempo que passamos acordados. Diante das restrições da pandemia, a indisciplina e a liberdade podem ser uma boa fuga

Muitas pessoas sentem que a pandemia do novo coronavírus afetou não apenas nossa vida cotidiana, mas também nossa mente. Além de conversas sobre uma pandemia de saúde mental, fala-se de uma nebulosidade mental relacionada ao isolamento social enquanto estamos acordados, e também de sonhos bizarros e vívidos enquanto dormimos.

Tendemos a pensar que há uma separação entre as nossas vidas enquanto dormimos ou estamos acordados. Mas é surpreendente o quanto elas estão conectadas.

Pensamentos espontâneos, ou divagação mental, ocupam até 50% do nosso tempo acordado. Nossos pensamentos e nossa atenção frequentemente se desviam do que estamos fazendo e do que ocorre nos nossos arredores imediatos. Numa trilha de um pensamento após o outro, seguindo uma trajetória associativa.

Esses pensamentos e experiências também estão presentes no sono. O exemplo mais claro é o sonho, que foi descrito como uma forma intensificada da divagação mental que ocorre quando estamos acordados.

Sonhos e devaneios sugerem que as flutuações nas experiências espontâneas, o fluxo e refluxo natural da atenção e a trajetória errática dos pensamentos são contínuas enquanto estamos acordados ou dormindo.

Em circunstâncias comuns, costumamos não prestar atenção ao fato de que nossas mentes divagaram. A maioria das pessoas também não se lembra dos seus sonhos, mas quando monitorados em laboratórios do sono podem reportar múltiplos sonhos por noite. Assim como a divagação mental, os sonhos (com exceção de sonhos lúcidos) também estão majoritariamente fora do nosso controle.

No entanto, a atenção à nossa vida interna pode se expandir em momentos em que o controle sobre nossas vidas cotidianas é ilusório.

Prestar atenção aos sonhos assim que acordamos aumenta drasticamente o quanto nos lembramos deles. E tentar ancorar nossos pensamentos e nossa atenção durante o dia pode nos deixar mais atentos às nossas falhas, incluindo lapsos de atenção. Se você tem prestado mais atenção aos seus pensamentos durante a pandemia, você pode ter mais consciência do que sempre esteve lá.

Mudanças de pensamentos espontâneos — para o bem ou para o mal

Se você tem dormido mais durante a quarentena, provavelmente tem vivido mais sono REM. Uma vez que o sono REM está tipicamente associado aos sonhos mais vívidos e complexos, isso pode levar a um aumento absoluto de sonhos.

Se você também dispensou seu despertador, provavelmente está acordando diretamente do sono REM, o que aumenta a memória sobre os sonhos.

A pandemia também mudou sobre o que divagamos e com o que sonhamos. Preocupações conscientes sobre a doença parecem estar acompanhadas de pesadelos mais frequentes e sonhos sobre temas como distanciamento social, contágio, ou equipamentos de proteção.

Algumas mudanças na nossa vida mental espontânea podem indicar que algo está errado. Ansiedade e estresse estão relacionados a mais pensamentos repetitivos e ruminação, dificuldade de concentração, perturbação do sono, pesadelos e sonhos desagradáveis. Todos esses sinais aumentaram durante a pandemia.

Esses pensamentos repetitivos, persistentes e pouco progressivos contrastam com o movimento livre e vago que caracteriza a maioria dos sonhos e devaneios.

Pensamentos espontâneos podem ser benéficos

A inquietação das nossas mentes também pode ter um lado bom. Devaneios certamente comprometem nosso desempenho em tarefas que demandam atenção. Porém, por causa da sua natureza associativa, sonhos e devaneios também podem ajudar a formar novas conexões e a enxergar tópicos familiares sob uma nova perspectiva. Quando nossas mentes divagam, nossos pensamentos normalmente se desviam para preocupações pessoais e com o futuro.

Similarmente, sonhos têm a tendência de tecer experiências e preocupações diversas em narrativas novas e às vezes bizarras. Você pode encontrar um personagem nos sonhos que é uma mistura de diferentes pessoas de quem foi próximo em diferentes momentos da vida.

Ou seu sonho inicialmente agradável sobre visitar amigos em uma cidade distante pode se tornar um pesadelo sobre ser infectado, colocar sua família em risco, e ser perseguido pela polícia porque você quebrou a quarentena.

Pensamentos espontâneos, no sono ou enquanto estamos acordados, podem ajudar a processar memórias e a guiar o planejamento futuro e a tomada de decisões, possibilitando que imaginemos caminhos diferentes; eles também podem ser uma fonte de discernimento e criatividade.

Esses pensamentos também podem contribuir para o processamento emocional. Devaneios voltados ao futuro são frequentemente positivos, enquanto os voltados ao passado tendem a estar associados com mau humor e emoções negativas.

Uma ótima fuga

Estar no momento presente costuma ser descrito como uma virtude que devemos cultivar através do mindfulness. Mas, às vezes, a distração pode ser positiva: devaneios podem ser um bom intervalo de tarefas chatas, nos permitindo voltar a elas com a atenção renovada.

Outras vezes, a distração pode ser simplesmente agradável. Nos nossos sonhos, vivenciamos realidade alternativas; podemos viajar livremente e, porque sonhos são ricos em interações sociais, podemos interagir com pessoas das quais estamos separados na vida cotidiana.

Dada a monotonia, as restrições e o isolamento que estamos vivendo, a indisciplina e falta de limites das nossas mentes pode ser uma ótima fuga.

Jennifer Windt é pesquisadora da Universidade de Monash.

A seção `Externo` traz uma seleção de artigos e ensaios cedidos por veículos nacionais e internacionais. Textos publicados originalmente em outros idiomas têm tradução do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.