Ir direto ao conteúdo

Ser sustentável tem a ver com bem-estar, não com sacrifícios

 

De acordo com a revista New Republic de junho de 2019: “Você terá que fazer sacrifícios para salvar o planeta”, enquanto o jornal americano Metro pergunta: “De que você abriria mão para deter as mudanças climáticas?” Essas manchetes, lidas da minha mesa em Londres, onde faço pesquisas sobre psicologia ambiental, nos apresentam fortes escolhas: entre o indivíduo e a sociedade, o bem-estar e a moralidade. Me preocupa ver ações sustentáveis sendo equiparadas a sacrifícios pessoais desse jeito. Também me faz pensar se poderíamos mudar o conteúdo de uma terceira manchete recente, desta vez do Sky News – “Maioria dos britânicos não está disposta a se restringir para combater as mudanças climáticas” – ao reformular a forma que falamos sobre comportamento sustentável.

Um número crescente de pesquisas sugere que, ao invés de representar uma ameaça ao bem-estar individual, adotar um estilo de vida mais sustentável representa um caminho para uma vida mais satisfatória. Diversos estudos concluíram que pessoas que compram produtos ecológicos, que reciclam ou fazem voluntariado por causas ambientais declaram estar mais felizes com as suas vidas do que seus colegas menos ecológicos. Na exploração mais sistemática dessa relação até o momento, o psicólogo social Michael Schmitt da Universidade Simon Fraser, no Canadá, e seus colegas concluíram que, dos 39 comportamentos sustentáveis examinados, 37 estavam positivamente ligados à satisfação com a vida (as exceções foram o uso de transporte público ou caronas, e o uso de máquinas de lavar e secar apenas quando cheias).

Investigando mais a fundo, os autores desse estudo de 2018 descobriram que as relações positivas mais fortes eram entre satisfação com a vida e os comportamentos que envolvem custos em dinheiro, tempo ou esforço. Então, participar de atividades ecológicas é mais preditivo de satisfação com a vida do que, por exemplo, fechar a torneira enquanto se escova os dentes (apesar de exigir mais esforço). De forma complementar, quando a psicóloga Stacey Ann Rich da Universidade La Trobe, em Melbourne, e seus colegas olharam para pessoas no extremo da escala de estilos de vida sustentáveis, eles descobriram que ‘simplificadores voluntários’ – ou pessoas que livremente escolhem viver de forma mais parcimoniosa – reportam uma maior satisfação com a vida do que os não simplificadores em diversos estudos diferentes. Longe de sugerir que as pessoas perdem quando colocam um esforço significativo em viver uma vida sustentável, parece que quanto mais você investe, mais você tem a ganhar.

Essa é uma evidência promissora, mas a medida utilizada – satisfação com a vida – pode ocultar algumas das potenciais nuances que interferem em como as pessoas pensam (e se sentem) sobre suas vidas enquanto passam por elas. Minha própria pesquisa na London School of Economics aborda essa questão ao examinar como comportamentos ecológicos se relacionam com diferentes tipos de bem-estar. Em especial, faço uma distinção entre bem-estar hedônico, que se relaciona com as emoções que as pessoas sentem, e bem-estar eudemônico, que se relaciona com a sua razão de ser.

Existem boas razões para se pensar que essa distinção pode ser importante. Alguns comportamentos ecológicos podem impulsionar o bom humor das pessoas: imagine ir para o trabalho de bicicleta, em vez de dirigir pelo trânsito da região central de Londres, por exemplo. Outros comportamentos que normalmente são exercidos no piloto automático, como reciclar, podem não ter expectativa de impacto nenhum. Ainda, outros podem fazer com que as pessoas se sintam estressadas, como qualquer um que tentou tomar um banho gelado recentemente pode dizer.

Contraponha isso com como nós esperamos que comportamentos ecológicos se relacionem com a razão de ser das pessoas. O psicólogo ambiental Tim Kasser – especialista em materialismo e bem-estar, e agora professor emérito na Knox College, em Illinois – argumentou que comportamentos ecológicos podem contribuir para as necessidades pessoais de autonomia, afinidade e competência, todas elas variáveis chave do bem-estar eudemônico. Mais diretamente, na medida em que as pessoas percebem o engajamento em uma gama de comportamentos ecológicos como “fazer a coisa certa”, podemos esperar que contribuam para a razão de ser delas.  

Como parte do meu doutorado, examinei essas ideias usando dados de um questionário respondido por uma amostra de mais de 5 mil residentes ingleses. Descobri que os níveis de felicidade ou ansiedade dessas pessoas eram independentes do seu engajamento em comportamentos ecológicos no dia anterior. Isso sugere que, mesmo que os indivíduos não tenham prazer por se engajar em comportamentos ecológicos, esses comportamentos também não têm um custo emocional. Ao mesmo tempo, minha pesquisa indica que quanto mais as pessoas se engajam em ações ecológicas, mais elas consideram suas atividades como dignas, de forma geral.

Quando examinados em conjunto, a evidência da satisfação com a vida e os resultados do meu próprio trabalho se opõem à visão do comportamento ecológico como sacrifício, e apontam, ao invés disso, para uma gama de potenciais benefícios psicológicos de tomar uma postura mais sustentável. Ainda estamos nos primeiros estágios para entender o que leva a esses benefícios aparentes, mas o trabalho recente dos economistas Heinz Welsch e Jan Kühling da Universidade de Oldenburg, na Alemanha, entre outros estudiosos, sugere que cumprir normas sociais, ter uma autoimagem positiva e oportunidades para socializar desempenham algum papel.

Se você considera comportamentos ecológicos como onerosos, então os apelos morais do tipo “você tem que fazer sacrifícios para salvar o planeta” são sempre válidos. Então, o melhor é encorajar as pessoas a tomarem ações contra as mudanças climáticas ao apresentar questões ambientais como pessoalmente relevantes. A evidência do bem-estar subjetivo nos dá uma oportunidade de mover o foco daquilo que as pessoas podem precisar abrir mão para os ganhos potenciais de se viver, não de forma pior, mas diferente. Tais mensagens positivas podem motivar melhor as ações ecológicas que contribuem diretamente para o bem-estar individual, enquanto resguarda, ao mesmo tempo, o bem-estar de outros e das gerações futuras.

Kate Laffan é membro do departamento de psicologia e ciência comportamental da London School of Economics and Political Science. Em novembro de 2019, também passará a ser  associada Marie Curie do Instituto Geary de políticas públicas da University College Dublin.

A seção `Externo` traz uma seleção de artigos e ensaios cedidos por veículos nacionais e internacionais. Textos publicados originalmente em outros idiomas têm tradução do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes