Foto: Reprodução

ayn rand
A estimativa é que o livro de Ayn Rand tenha vendido mais de 30 milhões de cópias
 

Filósofos amam odiar Ayn Rand. É tendência zombar de qualquer menção a ela. Um filósofo me disse que “ninguém precisa ser exposto àquele monstro”. Para muitos, ela nem chega a ser uma filósofa e não deveria ser levada a sério. O problema é que pessoas estão levando ela a sério. Em alguns casos, muito a sério.

Escritora que nasceu na Rússia e se mudou para os Estados Unidos em 1926, Rand promoveu uma filosofia do egoísmo que chamou de “objetivismo”. Sua filosofia, conforme escreveu no romance “A revolta de Atlas” (1957), é “o conceito do homem como ser heroico, com sua própria felicidade como o propósito moral de sua vida, sua realização produtiva como sua atividade mais nobre, e a razão como seu único absoluto”. Com ideais de felicidade, trabalho duro e individualismo heroico – além de um filme de 1949 com Gary Cooper e Patricia Neal baseado em seu romance “A nascente” (1943) –, talvez não surpreenda que ela tenha conquistado a atenção e a imaginação dos EUA.

Fundado três anos depois de sua morte, em 1982, o Ayn Rand Institute, na Califórnia, informa que seus livros venderam mais de 30 milhões de cópias. No início de 2018, o instituto planejava chegar à meta de 4 milhões de cópias de romances de Rand doadas a escolas americanas. O instituto também doou ativamente a universidades, com o financiamento geralmente conectado a uma contrapartida de oferta de cursos dados por professores que tenham “um interesse positivo e boa fluência no objetivismo, a filosofia de Ayn Rand” – com “A revolta de Atlas” como leitura obrigatória.

Os livros de Rand estão cada vez mais populares. O ranking de autores da Amazon a posiciona ao lado de Shakespeare e J. D. Salinger. Ainda que esses rankings flutuem e não reflitam todas as vendas, a companhia com quem ela está diz o suficiente.

Rand não viveu sempre de acordo com sua própria filosofia: em uma impressionante mostra de hipocrisia, ela recebeu pagamentos de seguro social e auxílio médico quando mais velha

É fácil criticar as ideias de Rand. Elas são tão extremistas que, para muitos, soam como paródia. Por exemplo, Rand culpa as vítimas: se alguém não tem dinheiro ou poder, é sua própria culpa. Howard Roark, o “herói” de “A nascente”, estupra a heroína Dominique Francon. Um par de conversas sem jeito sobre consertar uma lareira é, de acordo com Rand, o equivalente a Francon ter enviado a Roark “um convite oficial” para que ele a estuprasse. O encontro é claramente não-consensual – Francon genuinamente resiste e Roark indiscutivelmente vai contra sua vontade – e mesmo assim Rand dá a entender que pessoas que foram estupradas, e não os estupradores, são os responsáveis. O poder está com a razão e, como Roark declara no início do romance, a questão não é quem vai deixá-lo fazer o que quiser: “A questão é, quem vai me impedir?” A defesa de Rand do egoísmo e sua insensibilidade com relação aos desafortunados encontra eco na política contemporânea. Não seria forçado dizer que sua filosofia encorajou alguns políticos a ignorarem e culparem os pobres e impotentes por sua condição.

Rand defende a autossuficiência, ataca o altruísmo, demoniza funcionários públicos e vilaniza regulações governamentais porque elas restringiriam a liberdade individual. Entretanto, ela convenientemente ignora o fato de que muitas leis e regulações do governo promovem a liberdade e a prosperidade. Em “A revolta de Atlas”, uma espécie de misterioso líder de culto e porta-voz do objetivismo, John Galt, e seu círculo fogem para estabelecer uma colônia longe do sistema, livre da interferência governamental, e livre para criar suas próprias regras. Agora imagine a realidade de um mundo sem a regulamentação de uma agência de proteção ambiental. Vizinhos estariam livres para bombear fumaça na utopia de Galt, poluir suas fontes de água ou fumegar pesticidas tóxicos que se movimentam e envenenam moradores. Ainda assim, Galt rejeita qualquer dever com relação aos outros, assim como não espera isso de ninguém. Como ele mesmo diz: “Você pergunta qual obrigação moral eu tenho com meus semelhantes? Nenhuma”. Galt é rico, então pode ser que ele seja capaz de comprar alguns vizinhos. Todavia, a filosofia de Rand – conforme acolhida por personagens como Galt, que representam suas visões – presume que vivemos em um mundo com recursos infinitos e propriedades que podem ser isoladas dos outros. Ela ignora o fato de que dividimos a Terra – respiramos o mesmo ar, nadamos no mesmo oceano e bebemos das mesmas fontes de água compartilhadas.

Alguns filósofos libertários, como William Irwin em “The Free Market Existentialist” (o existencialista do livre mercado, em tradução livre), de 2015, já propuseram variações da ideologia de Rand que introduzem algum tipo de controle estatal para proteger as pessoas e sua propriedade de danos, força, fraude e roubo (embora ele não apoie especificamente uma agência de proteção ambiental). Entretanto, para Rand, conforme ela escreveu em sua coletânea de ensaios “A virtude do egoísmo” (1964), “não pode haver concessão entre liberdade e controles governamentais”, e aceitar qualquer forma de controle governamental é “se entregar à escravidão gradual”. Entretanto, Rand não viveu sempre de acordo com sua própria filosofia: em uma impressionante mostra de hipocrisia, ela recebeu pagamentos de seguro social e auxílio médico quando mais velha. Em outro ensaio, “A questão das bolsas de estudo” (1966), Rand tentou justificar a aceitação de benefícios governamentais como restituição parcial pelos impostos que pagou, ou que se espera pagar no futuro – e apenas se o recebedor se opuser a eles. O problema não é apenas a complexidade de calcular quanto auxílio do governo alguém poderia corretamente pegar de volta em nome de impostos pagos – uma vez que, presumivelmente, ela também usa estradas, água da torneira, proteção policial e uma miríade de outras coisas que um governo fornece. Mas é também uma contradição com o ponto dela de que não pode haver concessão entre liberdade e governo. Além disso, é desonesto participar ativamente e se beneficiar do mesmo sistema sobre o qual se reclama, com o pretexto de estar pegando emprestado o que foi emprestado dela. Pode ser egoísta, mas não é, como ela defende, moral.

Vilanizar Rand sem ler os detalhes, ou demonizá-la sem se dar ao trabalho de refutá-la, é claramente a estratégia errada. Tornar seu trabalho tabu não vai ajudar ninguém a pensar criticamente sobre suas ideias. Friedrich Nietzsche – um filósofo por vezes associado, ainda que superficialmente, com Rand, em parte devido a seus protagonistas a la “Übermensch” – avisou em 1881: “Os inocentes sempre serão vítimas porque sua ignorância os previne de distinguir entre medida e excesso, e de se manter sob controle em tempo hábil”.

Rand é perigosa precisamente por atrair inocentes e ignorantes com adereços da argumentação filosófica usados como manto retórico sob o qual contrabandeia seus preconceitos um tanto cruéis. Sua escrita é capaz de persuadir pessoas vulneráveis e acríticas e, com a exceção de seus extensos e bombásticos monólogos, ela sabe contar uma boa história. Lembre-se: seus romances são sucesso de venda. Quase dois terços das milhares de pessoas que resenharam “A revolta de Atlas”, na Amazon, deram ao livro a classificação de cinco estrelas. As pessoas parecem o estar comprando pela história e, depois, encontrando nele uma filosofia convincente bem empacotada, que absorvem quase sem pensar. Não é muito arriscado imaginar o que as pessoas admiram em seus personagens: os heróis de Rand agem por interesse próprio e não se importam com os outros, mas também são muito bons no que escolhem fazer, e são fiéis a seus princípios. É um exemplo primoroso – e um alerta – sobre o poder de influência da ficção.

Esperar que, com o tempo, as ideias de Rand irão simplesmente embora não é uma boa solução para o problema. “A nascente” ainda é um best-seller, 75 anos depois de sua primeira edição. E talvez seja hora de admitir que Rand é uma filósofa – só não é muito boa nisso. Deveria ser fácil demonstrar o que está errado com seu pensamento, e também reconhecer, como John Stuart Mill fez em “Sobre a liberdade” (1859), que uma posição em geral errada pode ainda conter alguns elementos de verdade, assim como servir de estímulo ao pensamento ao nos provocar a demonstrar o que está errado com ela. A retórica de Rand continua a fascinar milhões de leitores, então precisamos de linguagem estimulante e histórias que forneçam contra-argumentos com eloquência. Imagine se um escritor pudesse persuadir os milhões que hoje leem Rand a chegar a conclusões mais generosas e solidárias, de enxergar além de seu egoísmo autocentrado em vez de serem seduzidos por sua prosa. Precisamos tratar o fenômeno Ayn Rand a sério. Ignorá-lo não fará com que vá embora. Seus efeitos são perniciosos. Mas a refutação deles deveria ser inequívoca.

Skye C. Cleary é a autora de “Existencialismo e amor romântico” (2015) e diretora-associada do Centro de Novas Narrativas em Filosofia na Universidade de Columbia. Ela também é editora-executiva do blog da Associação Filosófica Americana e leciona em Columbia, no Barnard College, e no City College de Nova York.

Aeon counter – do not remove