As contradições no cerco de Bolsonaro e Lira à Petrobras

José Mauro Coelho renuncia à presidência da empresa após pressão de governo e líder da Câmara. Movimento é mais um capítulo de campanha contra a estatal durante crise dos combustíveis

    José Mauro Coelho renunciou à presidência da Petrobras na segunda-feira (20). Ele deixou o cargo após pressão do governo de Jair Bolsonaro (PL) e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

    Coelho teve a demissão decretada por Bolsonaro em 23 de maio de 2022, mas se manteve na posição durante os trâmites burocráticos necessários para trocar a presidência da estatal. A renúncia acelera o processo de alternância de poder – é a terceira mudança no comando da empresa no atual governo – e abre caminho para que Bolsonaro coloque Caio Paes de Andrade na chefia da petroleira. O interino será Fernando Borges, o que irritou o governo, que queria Paes de Andrade o quanto antes no comando da empresa.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.