A tentativa de uma juíza de impedir uma criança de abortar

Magistrada catarinense manteve menina de 11 anos em abrigo para impedir que procedimento fosse realizado. Desembargadora ouvida pelo ‘Nexo’ definiu a audiência como ‘tortura’ e disse que decisão ‘infringiu a lei’

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Uma menina de 11 anos, vítima de violência sexual, foi impedida de realizar um aborto legal e coagida pelo Judiciário e pelo Ministério Público de Tijucas, cidade no litoral de Santa Catarina, a seguir com a gestação. Com a justificativa de manter a criança longe do convívio com o estuprador, ela foi mantida em um abrigo, e decisões judiciais impediram que ela realizasse o procedimento.

    O caso foi revelado pelo jornal The Intercept Brasil e pelo portal Catarinas, que tiveram acesso às imagens da audiência, que estão sob sigilo judicial, e aos despachos da juíza Joana Ribeiro Zimmer, então titular da 1ª vara cível da cidade de Tijucas, em Santa Catarina. Nesta terça-feira (21), depois de um mês no abrigo e em meio à repercussão nacional do caso, a menina foi autorizada a deixar o local e ficar com a mãe, mas a realização do aborto segue incerta.

    Neste texto, o Nexo explica o caso e a reação à atuação da juíza, que contrariou o que está no Código Penal brasileiro. Também detalha as situações em que o aborto legal é previsto no Brasil e os entraves ao acesso ao procedimento.

    A busca e as negativas pelo aborto

    Com 10 anos na época do estupro, a gravidez da criança foi descoberta pela mãe da menina, que estranhou os enjoos e o crescimento da barriga da filha. O estupro foi cometido por um familiar, segundo os documentos obtidos pelo Intercept.

    A família buscou o Conselho Tutelar e o hospital de referência em aborto legal no estado, o Hospital Universitário da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), que não realizou o procedimento por causa do estágio da gravidez. A menina estava com 22 semanas e 2 dias de gestação, e uma norma interna da instituição limitaria a realização do procedimento ao período de 20 semanas.

    O hospital então pediu uma autorização judicial para realizar o aborto, e o caso chegou à juíza Joana Ribeiro Zimmer. Uma norma técnica do Ministério da Saúde recomenda que o aborto em caso de violência sexual seja realizado entre 20 e 22 semanas de gravidez.

    Uma medida protetiva determinou que a criança fosse institucionalizada – ou seja, levada a um abrigo – para não ter contato com o agressor. A mãe da menina argumentou que ela não tinha mais convívio com o abusador e pediu que as duas ficassem juntas, mas a menina passou mais de um mês sozinha na instituição. No dia 12 de maio, o juiz Mônani Menine Pereira, de Florianópolis, autorizou o aborto.

    No dia 13 de maio, a decisão de Pereira foi revogada a pedido do Ministério Público de Tijucas, que alegou que as varas da infância e criminal da cidade já acompanhavam o caso. A advogada da família entrou com um requerimento para que ela deixasse o abrigo para realizar o aborto, mas o pedido foi negado. Em 23 de maio, Zimmer chegou a nomear um advogado como "curador do feto" para impedir ainda mais o acesso ao aborto legal.

    Nesta terça-feira (21), o Tribunal de Justiça de Santa Catarina confirmou que Zimmer deixou o caso porque, em 17 de junho saiu da comarca em que atuava, em Tijucas. Ela foi promovida e transferida para outra comarca, em Brusque. Ao portal UOL, o Tribunal destacou que a mudança ocorreu antes da repercussão do caso da menina de 11 anos.

    ‘Crueldade imensa’

    Na audiência com a vítima e a responsável legal, a juíza Joana Zimmer usa palavras como “bebezinho”, “nenezinho”, e pergunta se a menina sente a criança mexer na barriga. Questiona se ela tem “interesse” em ficar com o filho e chega a chamar o abusador de “pai do bebê”. A menina responde negativamente; tanto ela quanto a mãe haviam manifestado a decisão pela interrupção da gravidez.

    As imagens da audiência estão sob sigilo legal, mas foram enviadas ao Intercept de forma anônima (o jornal publicou o vídeo com alterações nos rostos e vozes da mãe e da filha, para proteger suas identidades).

    A promotora do caso, Mirela Dutra Alberton, também intimida a menina durante a audiência. “O bebê tem quase seis meses, ele já é um ser humano. Tu consegue entender isso?”. A menina pouco responde, nem faz perguntas. Zimmer fala para as duas que o pedido de aborto é uma “crueldade imensa”, e que o feto “morreria agonizando”. A mãe intervém: “mais crueldade do que a minha filha está passando, do que eu estou passando, de ver minha filha nessa situação? Eu não sei mais o que fazer”.

    Zimmer tenta convencer mãe e filha a seguirem com a gestação e entregarem a criança para adoção. “Temos 30 mil casais que querem esse bebê. O que é uma tristeza para a senhora e sua filha hoje é a felicidade para um casal.”

    Laudos médicos e da psicóloga que acompanha a menina violentada mostram que há riscos físicos para prosseguir com a gestação e que a menina tem pouco entendimento sobre o que está acontecendo. A realização de uma cesariana também seria arriscada, para ela e para o feto, que teria poucas chances de sobreviver.

    O Judiciário e o Ministério Público de Tijucas, entretanto, desconsideram os documentos médicos. A juíza Joana Zimmer também usa a norma técnica do Ministério da Saúde (da realização no máximo até 22 semanas) para justificar sua decisão. O caráter, porém, é uma recomendação, e não uma determinação. O aborto ainda não foi realizado, segundo o Intercept, e a menina está com 29 semanas de gestação (que leva, normalmente, 40 semanas).

    A juíza fala que o aborto neste caso “seria uma autorização para homicídio”. “Passadas as 22 semanas ali seria um homicídio segundo o Código Penal”, disse. A informação é falsa: o código não determina o número de semanas de gestação, e a norma técnica não se sobrepõe à lei.

    O direito ao aborto no Brasil

    O país é considerado uma das nações com legislação mais restrita do direito ao aborto. É permitido em três situações, segundo o Código Penal:

    • Quando não há outro meio de salvar a vida da mulher
    • Quando a gravidez é resultante de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal. O código não determina as semanas máximas de gestação
    • Quando o feto é anencéfalo: em 2012, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o aborto é legal também em situações de fetos com ausência total ou parcial de cérebro

    Mesmo nessas situações, o acesso ao aborto legal é dificultado no país por motivos como a escassez de locais capacitados a oferecer o procedimento na rede pública e a falta de informação sobre o direito e o serviço.

    Nos casos de estupro, não há necessidade de realizar boletim de ocorrência para que o serviço médico realize o procedimento. Mas a portaria 2.561 recomenda que os profissionais do SUS (Sistema Único de Saúde) notifiquem as autoridades policiais se houver indícios ou confirmação de crime de estupro.

    Essa portaria é uma das que dificultam o acesso ao procedimento e deixam os profissionais de saúde com receio, disse ao Nexo a desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Maria Berenice Dias. A especialista, que também é vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família, analisou as imagens da audiência para o Intercept, e explicou que a conduta da juíza Joana Zimmer “infringiu a lei penal que autoriza o aborto”. “A juíza decidiu absolutamente contrária às regras e ao bom senso. O melhor interesse era da criança vítima, e não a tentativa de salvar um feto”, afirmou.

    Dignidade das vítimas de violência

    A vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família chama atenção para a postura da juíza na audiência. “Ela só chamava de nenê, bebezinho. Um negócio horrível. Foi uma tortura o que fizeram com a mãe e com essa menina. O conservadorismo que está tomando conta do Judiciário é muito nocivo. As convicções pessoais e religiosas não podem prevalecer em um julgamento”, disse Dias ao Nexo.

    Na avaliação de Berenice Dias, tentar convencer a vítima para que a gravidez prossiga e o bebê seja encaminhado para a adoção foi atroz. “Ela [juíza] mentiu para a mãe e a criança, colocando como se a adoção fosse algo automático. Não é. A menina e a mãe serão levadas para uma vara da infância e da juventude e serão submetidas novamente a um processo. Vai levar a uma revitimização."

    Berenice Dias crê que o caso em Santa Catarina é algo para ser denunciado “em cortes internacionais”. “Espero que o Conselho Nacional de Justiça dê atenção ao caso”. O CNJ afirmou nesta terça-feira (21) que vai apurar o caso. Conselhos que verificam a conduta da magistratura e do Ministério Público podem responsabilizar juízes e promotores.

    O Tribunal de Justiça de Santa Catarina divulgou nota e disse que instaurou “pedido de providências na esfera administrativa para a devida apuração dos fatos”. De acordo com Dias, a punição da juíza vai depender da apuração e da pressão das entidades ligadas ao tema. Com a lei 14.245/2021, que coíbe e aumenta a pena para vítimas de violência sexual que são constrangidas em processos, todas as partes, inclusive juízes e membros do Ministério Público, podem ser responsabilizados no âmbito civil, administrativo e penal (com reclusão de 1 a 4 anos).

    Ao Intercept, a juíza Joana Zimmer afirmou que “não se manifestará sobre trechos da referida audiência, que foram vazados de forma criminosa”. A promotora Mirela Dutra Alberton disse ao jornal que, se houvesse risco à vida da criança, os médicos teriam realizado o procedimento. O Hospital Universitário da UFSC discordou que a sua avaliação médica seria um respaldo ao entendimento do Ministério Público, mas afirmou exigir autorização judicial para realizar o aborto após a 20ª semana de gestação. Segundo informou a instituição ao Intercept, são realizados inúmeros encaminhamentos ao poder judiciário que, normalmente, defere o pedido com agilidade, compreendendo a complexidade e urgência da situação”.

    A atuação do governo Bolsonaro em 2020

    O sofrimento vivido pela vítima e pela sua mãe em Santa Catarina se assemelha ao de uma menina capixaba de 10 anos em 2020, que engravidou após ser estuprada por um tio.

    A então ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, agiu nos bastidores para que a criança e a família do Espírito Santo desistissem do aborto legal, com pressão sobre os responsáveis e promessas de benfeitorias para o Conselho Tutelar local. A criança foi levada a um hospital em Recife (PE). Com o nome vazado, ativistas antiaborto foram protestar na porta da instituição. Na época, o assunto repercutiu na imprensa europeia, que nomeou a situação como “fundamentalismo religioso”.

    A literatura científica sobre o aborto mostra que a criminalização é uma política custosa e ineficiente para conter a procura pelo procedimento. Além de limitar a busca de assistência de saúde adequada por mulheres que precisam recorrer ao aborto, o contexto gera um mercado de clínicas clandestinas e tráfico de medicamentos.

    O procedimento é uma pauta cara ao governo federal, que se opõe radicalmente ao direito de abortar. Na quarta-feira (15), a organização Milhas pela Vida protocolou um pedido ao Ministério Público Federal para a retirada de uma cartilha do Ministério da Saúde, direcionada aos profissionais do SUS, que dizia que “todo aborto é crime”, uma informação falsa. O documento editado pelo secretário nacional de Atenção Primária, Raphael Câmara, foi retirado do ar.

    Segundo pesquisa do Instituto Patrícia Galvão, 74% dos brasileiros acreditam que os casos de aborto previsto em lei no Brasil devem ser mantidos ou ampliados. O levantamento mostra ainda que em 84% dos casos a violência sexual é cometida por alguém que faz parte do círculo social da vítima.

    ESTAVA ERRADO: A portaria 2.282/2020 citada na primeira versão deste texto foi revogada e não há obrigatoriedade de o serviço médico comunicar à polícia se houver indícios ou confirmação de crime de estupro. A portaria 2.561 é a que está vigente atualmente. Ela apenas recomenda a comunicação do fato à autoridade policial responsável. Também diferentemente do que estava escrito, o aborto da menina capixaba de 10 anos foi realizado em Recife (PE), e não em Jacareí (SP). As informações foram corrigidas às 16h do dia 22 de junho.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.