Menos público, mais online: as mudanças do ensino superior

Enquanto as matrículas na rede pública encolhem, cada vez mais brasileiros recorrem às aulas a distância oferecidas pela rede privada. Especialistas falam ao ‘Nexo’ sobre as razões e o impacto disso na qualidade da educação

O mais recente Censo da Educação Superior registrou que em 2020, pela primeira vez em 30 anos, houve uma retração no número de matrículas nas universidades federais, junto com quedas também nas instituições de ensino estaduais e municipais. Enquanto isso, o total de matrículas em cursos privados feitos a distância teve um boom.

Ainda que a pandemia de covid-19, iniciada naquele ano, tenha importante participação nesses números, publicados em 2022, eles também refletem movimentos de mais longo prazo dentro do ensino superior brasileiro.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.