Por que Bolsonaro não mexe nos preços dos combustíveis

O ‘Nexo’ ouviu especialistas para entender as motivações do presidente, que apenas reclama dos aumentos promovidos pela Petrobras, estatal controlada pelo governo que ele comanda

    Jair Bolsonaro faz críticas frequentes à Petrobras e à política de preços da estatal. As queixas do presidente ficaram mais frequentes em 2022, ano em que vai tentar a reeleição. Tais declarações, porém, sempre vêm acompanhadas da ressalva de que ele não tem o que fazer diante dos seguidos aumentos no preços de combustíveis.

    Ao adotar essa posição, Bolsonaro tenta se dissociar da crise dos combustíveis, que tem impacto nos consumidores diretos e na inflação como um todo. Mas o presidente tem poderes sobre a situação. Como a União é acionista majoritária da Petrobras, o governo pode mudar a política que tanto critica, além de adotar outras medidas.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.