Como outros países lidam com o preço de combustíveis

Governos agem para conter alta de derivados de petróleo. No Brasil, Bolsonaro aposta em mudanças tributárias, mas sem impacto relevante nos aumentos impostos pela política da Petrobras

    Os combustíveis são o principal componente da inflação alta no Brasil em 2022. Os seguidos aumentos promovidos pela Petrobras transformaram a estatal em alvo recorrente de Jair Bolsonaro, que vai tentar a reeleição em outubro.

    As críticas frequentes à empresa vêm acompanhadas de declarações do presidente segundo as quais ele não pode fazer nada. No domingo (15), ele afirmou que a política de preços da estatal, que segue os movimentos do petróleo no mercado internacional, “só existe no Brasil”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.