Como a turbulência institucional pode afetar a economia em 2022

Perdão presidencial a Silveira abre mais uma crise sob Bolsonaro. O ‘Nexo’ ouviu economistas para entender o impacto num dos pilares da tentativa de reeleição, com suas consequências no mercado

    O perdão concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) na quinta-feira (21) abriu um novo momento de turbulência institucional no Brasil. Silveira havia sido condenado no dia anterior pelo Supremo Tribunal Federal pelos crimes de coação no curso do processo e incitação de ações para impedir o livre exercício dos Poderes da República, após fazer ameaças aos ministros do tribunal.

    As sucessivas turbulências políticas e ataques de Bolsonaro à democracia se somam à crise econômica e social vivida no país. Economistas apontam que, apesar do crescimento de 4,6% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021, vindo de um tombo anterior devido à pandemia de covid, há poucos sinais de que a atividade econômica ganhe tração em 2022, ano eleitoral. Ao mesmo tempo, a inflação alta corrói a renda dos brasileiros, enquanto o cenário da fome foi agravado pela crise sanitária.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.