As suspeitas na Codevasf, estatal que cresceu com Bolsonaro

Uma única empreiteira passou a ter maioria dos contratos de obras após mudança de modelo de licitação. Base de sustentação do governo, parlamentares do centrão controlam indicações

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Procuradores que atuam junto ao TCU (Tribunal de Contas da União) pediram na segunda-feira (11) que a corte passe a monitorar todas as obras de pavimentação realizadas pela Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba). A iniciativa ocorre após reportagens publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo levantarem suspeitas sobre contratos firmados com a empreiteira Engefort.

    A Codevasf é uma estatal ligada ao Ministério do Desenvolvimento Regional que vem ampliando sua área de atuação desde o governo Michel Temer e obteve um salto ainda maior no governo Jair Bolsonaro. O dinheiro público que passa por ela chega também via emendas parlamentares. Atualmente, quem controla a companhia é o centrão, grupo de deputados com histórico de fisiologismo que dá apoio político ao presidente.

    Neste texto, o Nexo explica a atuação da Codevasf, mostra o modelo licitatório adotado pela estatal a partir de 2021 e resgata as suspeitas em torno dos contratos da companhia.

    A ampliação da atuação da Codevasf

    Instituída em 1974 pela Lei 6.088, no governo do general Ernesto Geisel, a Codevasf tinha como foco promover o desenvolvimento da região da bacia do Rio São Francisco utilizando recursos hídricos, com ênfase na irrigação e abastecimento de água, e também realizando outras pequenas obras de infraestrutura. Sua área de atuação abrangia o Vale do Rio São Francisco, em Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

    Ao longo dos anos, a Codevasf ampliou seu escopo por meio de leis assinadas por vários presidentes. Em 2000, no governo Fernando Henrique Cardoso, a estatal incluiu a área da Bacia do Rio Parnaíba no Piauí e Maranhão. Em 2017, no governo Michel Temer, a área de atuação foi estendida para outros municípios do estado de Alagoas que não estavam no Vale do Rio São Francisco.

    Em 2020, Bolsonaro sancionou uma nova lei que aumentou a área de atuação da companhia para 15 estados, o que contempla 36% do território nacional. A medida permitiu a atuação da Codevasf em todo o Nordeste, em mais áreas de Minas Gerais e também no Amapá, na região Norte do país.

    240%

    foi o percentual de aumento de licitações na Codevasf relacionadas à pavimentação entre 2020 e 2021

    Em 2021, a Codevasf recebeu R$ 3 bilhões dos cofres públicos por meio de emendas parlamentares, quase a metade dos R$ 7,3 bilhões que entraram em caixa. A estatal não comprovou o valor das obras que executou, de acordo com relatório da auditoria Russell Belford, obtido pelo jornal Folha de S.Paulo.

    A mudança na escolha de empreiteiras

    O TCU, órgão que fiscaliza as contas públicas e auxilia o Congresso Nacional a acompanhar a execução orçamentária, aprovou em maio de 2021, a pedido do governo, uma mudança na maneira por meio da qual as empreiteiras são contratadas pelo Codevasf.

    A decisão do TCU versou especificamente sobre as obras de pavimentação de vias da área de atuação da companhia. O aval foi dado mesmo com alerta da área técnica do órgão, e também da CGU (Controladoria-Geral da União), de que o mecanismo poderia abrir margem para corrupção, serviços de má-qualidade e superfaturamento.

    Mudança

    Como era

    As licitações eram realizadas dentro de uma lógica clássica, com concorrências voltadas a projetos específicos de pavimentação. Com isso, a cotação de preços das empresas concorrentes levava em conta uma situação real.

    Como ficou

    As licitações são feitas por um modelo de pregão eletrônico em que empreiteiras fecham contratos guarda-chuva, sem especificação de onde a obra deve ser realizada. Quando necessário, a estatal aciona a empreiteira, que realiza a pavimentação.

    Por meio do novo modelo, uma empreiteira se destacou. A Engefort conquistou a maioria das concorrências de pavimentação da Codevasf – 53 das 99 abertas pela companhia em 2021 –, com contratos que somam R$ 620 milhões. Em alguns pregões, a Engefort concorreu com a Del Construtora Ltda., uma empresa de fachada cujo sócio é de um dos irmãos dos donos da Engefort.

    A estatal nega que tenha afrouxado os controles. Afirma que a modalidade pregão eletrônico, com contrato guarda-chuva, em que há um sistema geral de registro de preços, promove “economia” e “celeridade” no atendimento às demandas.

    Quem manda na Codevasf sob Bolsonaro

    Assim como fez com outras áreas do governo, Bolsonaro destinou cargos-chave da Codevasf ao centrão. O presidente da estatal, Marcelo Andrade Moreira Filho, foi um nome indicado por integrantes desse grupo de parlamentares que dá sustentação ao governo. A indicação foi feita ainda em 2019, no primeiro ano de mandato de Bolsonaro.

    Como o modelo de gestão da Codevasf conta com gestores regionais, isso amplia a possibilidade de indicações políticas nas superintendências. Em Alagoas, o superintendente é João José Pereira Filho, primo do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

    Eleito por três vezes prefeito de Teotônio Vilela, no sudoeste alagoano, Joãozinho, como é conhecido, é considerado peça-chave na distribuição de emendas do relator, sistema de destinação de recursos que ficou conhecido como “orçamento secreto”.

    Por ser vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, o titular da pasta também participa das decisões da estatal. Até março, o ministério era comandado por Rogério Marinho, pré-candidato pelo PL ao Senado pelo Rio Grande do Norte.

    Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Marinho, junto com o presidente da Codevasf e com o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (União Brasil-AP) fez reuniões sem registro em atas com representantes da Engefort. A estatal, em resposta ao jornal, disse que os encontros tratavam de “temas de interesse institucional”.

    A empreiteira não se pronunciou sobre o caso. Em nota, a Codevasf informou que os pregões eletrônicos são abertos à livre participação de empresas de todo o país, que as contratações seguem a legislação e que possui controle integral de todas as suas obras. Bolsonaro afirma que “não existe corrupção” em seu governo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.