O FNDE nas mãos do centrão. E as suspeitas sobre o uso de verbas

Fundo que garante dinheiro para o ensino básico está envolvido no escândalo dos pastores, no sobrepreço em edital para compra de ônibus escolares e em gastos sem critério em redutos eleitorais

    Responsável por repasses federais que garantem o funcionamento do ensino básico nos municípios do Brasil, o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) tem acumulado uma série de suspeitas, que incluem acusações de pedidos de propina para acesso a verbas, brechas para superfaturamento e favorecimento de redutos eleitorais de parlamentares.

    O fundo, que tem orçamento maior do que o de vários ministérios, está nas mãos de partidos do centrão desde meados de 2020, quando Jair Bolsonaro garantiu sustentação política por meio da distribuição de cargos e verbas para esse grupo de partidos, entre os quais o PP do presidente da Câmara, Arthur Lira (AL), e o PL, legenda atual do presidente.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.