Um raio-x das condições do trabalho por aplicativo no Brasil

Relatório nacional da iniciativa Fairwork destrinchou aspectos trabalhistas dos seis principais apps de entrega e transporte do país. De 0 a 10, a maior pontuação foi 2 – e só duas plataformas alcançaram a nota

    Aplicativos de entrega e de transporte não estão oferecendo condições justas de trabalho a seus entregadores e motoristas no Brasil. Esse é o diagnóstico do relatório Fairwork Brasil, cuja primeira edição foi publicada nesta quinta-feira (17). A iniciativa contou com a participação de pesquisadores brasileiros e foi encabeçada pelo Instituto de Internet da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pelo Centro de Ciências Sociais WZB, em Berlim, na Alemanha.

    O Fairwork Brasil avaliou cinco quesitos trabalhistas das seis principais plataformas que operam no país: iFood, 99, Rappi, Get Ninjas (que agrega profissionais de serviços gerais), Uber e Uber Eats – essa última parou de operar delivery de restaurantes no início de março, após a realização da pesquisa. Cada plataforma recebeu uma nota de 0 a 10. A maior pontuação foi 2, obtida por iFood e 99, um cenário diferente do visto em pesquisas realizadas na África, Europa e Ásia.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.