A pressão para ocultar a identidade de agentes da ditadura

Decisão inédita de juiz determinou retirada de menções a ex-coronel da PM em documentos da Comissão da Verdade sobre morte de militante comunista em Recife

    O juiz federal Hélio Silvio Ourém Campos, da 6ª Vara de Pernambuco, determinou a retirada de menções ao nome do ex-coronel Olinto de Souza Ferraz nos documentos da CNV (Comissão Nacional da Verdade), órgão que investigou crimes cometidos por agentes do Estado durante a ditadura militar (1964-1985).

    Revelada em fevereiro pelo grupo Giro da Arquivo, boletim de notícias de pesquisadores da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), a decisão judicial foi tomada num processo movido contra a União desde 2019 por filhos do ex-coronel da Polícia Militar. Inédita, a medida provocou a alteração de trechos do dossiê da CNV, com a disposição de tarjas pretas para ocultar o nome de Ferraz, que na ditadura foi chefe da Casa de Detenção de Recife.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.