Como acusações de nazismo são usadas na crise da Ucrânia

Vladimir Putin fala em ‘desmilitarizar’ e ‘desnazificar’ o país vizinho, enquanto presidente ucraniano compara presidente russo a Adolf Hitler. Entenda de onde vem essa propaganda de guerra

    O presidente russo, Vladimir Putin, apresenta dois motivos para justificar a invasão da Ucrânia: impedir que o país vizinho seja incorporado à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e defenestrar um governo identificado por ele como genocida e nazista.

    A primeira alegação está ligada ao fato de a Otan ter se expandido na direção do Leste Europeu nos anos 1990, incorporando antigos satélites soviéticos para sua esfera de influência, o que não incluiu a Ucrânia. Isso de fato ocorreu e sofre críticas até de analistas alinhados ao Ocidente, como o jornalista americano Thomas Friedman.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.