A privatização da Eletrobras chancelada pelo TCU

Ministro Vital do Rêgo apontava ‘erro gigantesco’ no cálculo do valor a ser recebido pela União, mas julgamento acabou com ampla margem favorável ao governo

    O Tribunal de Contas da União aprovou nesta terça-feira (15), por 6 votos a 1, o plano de privatização da Eletrobras, em meio às incertezas que vieram à tona nas últimas semanas sobre o valor de outorga da empresa e a viabilidade da operação, pela qual a União deixará de ser sócia majoritária da companhia.

    O julgamento tinha sido suspenso por um pedido de vista do ministro Vital do Rêgo. Mas o ministro Jorge Oliveira, que comandou a Secretaria-Geral da Presidência no governo Jair Bolsonaro, conseguiu que a corte adiantasse a retomada do caso, numa sessão extraordinária.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.