Por que países pobres estão rejeitando doses de vacina contra a covid

Doações de excedentes com validade curta e dificuldades logísticas mostram a fragilidade do consórcio Covax Facility e os desafios para reduzir a desigualdade vacinal no mundo

A diretora da divisão de suprimentos do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), a albanesa Etleva Kadili, disse nesta quinta-feira (13) em sessão no Parlamento Europeu, em Bruxelas, na Bélgica, que governos de países pobres rejeitaram pelo menos 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19 ofertadas pelo consórcio Covax Facility só no mês de dezembro de 2021.

A recusa ocorre principalmente porque as vacinas doadas por países ricos no fim de 2021 estavam perto da data de vencimento e os destinos das doações não têm condições adequadas de estocagem e de aplicação das doses dentro do prazo relativamente curto de validade das vacinas. Essa dinâmica mostra que o problema da desigualdade vacinal no mundo vai além da produção e da oferta de doses em quantidade suficiente, abrangendo questões de logística.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.