Por que a Lufthansa mantém milhares de voos sem passageiros

Em momento de queda na procura por passagens e cancelamentos devido à ômicron, companhia aérea alemã decidiu operar 18 mil trechos com aviões vazios, o que despertou críticas de ambientalistas na Europa

    A companhia alemã de aviação Lufthansa decidiu no fim de dezembro de 2021 manter 18 mil voos circulando pelos céus da Europa durante o inverno – que, no hemisfério norte, vai de dezembro a março –, mesmo que esses voos não levem nenhum passageiro a bordo.

    O anúncio despertou críticas sobretudo entre ambientalistas, pela queima inútil de combustível de aviação, que emite gases que contribuem para a mudança climática. A medida é justificada pela empresa como um recurso extremo para evitar que a companhia perca, em 2023, as vagas de estacionamento nos aeroportos europeus que não tenham sido utilizadas em 2022, como determina a norma vigente na União Europeia. Com uma nova onda da pandemia, ligada à disseminação da variante ômicron, caiu a queda na procura por passagens aéreas.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.