As mães complexas de Elena Ferrante no filme ‘A filha perdida’

Romance da escritora italiana que desafia expectativas sociais sobre a maternidade ganhou adaptação de Maggie Gyllenhaal, lançada pela Netflix

    Temas

    Uma adaptação cinematográfica de “A filha perdida”, livro da autora italiana que escreve sob o pseudônimo Elena Ferrante, foi lançada pelo streaming Netflix na sexta-feira (31). O longa marca a estreia da americana Maggie Gyllenhaal (atriz de filmes como “Coração Louco”, pelo qual concorreu ao Oscar) como diretora e roteirista, e tem sido apontado pela crítica como um concorrente tardio ao título de melhor filme de 2021.

    Também é a primeira das obras de Ferrante a ser adaptada ao audiovisual por uma mulher. Todos os demais romances da autora — inclusive a famosa “tetralogia napolitana”, que virou seriado do canal HBO — já ganharam versões no cinema e na TV, lideradas por homens cineastas. O fato é digno de nota porque a escrita da italiana é conhecida por retratar de forma realista e detalhada a psicologia de personagens femininas.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.