O burnout na nova classificação de doenças da OMS

Síndrome do esgotamento aparece como fenômeno ocupacional em guia da organização mundial. Exaustação emocional, despersonalização e insatisfação com o próprio desempenho figuram entre os sintomas

Um cansaço extremo, acompanhado de um sentimento de esgotamento e de um distanciamento mental, aliado a uma diminuição da produtividade. Esses são os sinais do burnout, síndrome que tem milhares de registros anualmente no Brasil, país que desde 2020 ocupa o segundo lugar no ranking global de maior número de pessoas afetadas pelo problema.

A partir de janeiro de 2022, o burnout passa a aparecer na CID-11 (Classificação Internacional de Doenças, 11ª edição) da OMS (Organização Mundial da Saúde) como um fenômeno ocupacional, diretamente relacionado ao ambiente de trabalho, e não mais como um problema relacionado ao estilo de vida do paciente.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.