O que um militar no TSE diz sobre a democracia brasileira

O ‘Nexo’ conversou com especialistas em Forças Armadas e governança eleitoral sobre a escolha de Fernando Azevedo e Silva, ex-ministro de Bolsonaro, para a diretoria-geral da corte

    Ex-ministro da Defesa do presidente Jair Bolsonaro, o general da reserva Fernando Azevedo e Silva foi escolhido para ser o diretor-geral do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a partir de fevereiro de 2022, ano eleitoral. Ele será responsável pelo funcionamento administrativo do tribunal, assim como pela secretaria de tecnologia do órgão.

    A escolha foi uma tentativa dos ministros do Supremo Edson Fachin e Alexandre de Moraes, que vão presidir o TSE em 2022, de estabelecer uma ponte com as Forças Armadas e assim garantir estabilidade ao regime democrático, segundo a revista Veja e o jornal Valor Econômico.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.