Os entraves da chapa Lula-Alckmin. E os desafios se ela vingar

Cenário de união entre líder petista e ex-líder tucano avança, mas ainda faltam acertos regionais. Adversários já ensaiam discurso para minar a parceria, caso de fato ela venha a ser concretizada

    Adversários históricos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal líder do PT, e o ex-governador paulista Geraldo Alckmin, que acaba de deixar o PSDB, deram mais um passo no domingo (14) na busca por uma aliança eleitoral em 2022, ao participarem de um jantar promovido por grupo de advogados em São Paulo.

    O evento teve presença de representantes de vários partidos, como Márcio França, do PSB, Gilberto Kassab, do PSD, e Renan Calheiros, do MDB. Apesar do clima de união, a concretização da aliança entre Lula e Alckmin, com o petista como candidato a presidente e o ex-tucano como candidato a vice, ainda tem entraves pela frente, além de desafios ao lidar com o eleitor numa eventual campanha conjunta.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.