O uso de cota de telas para limitar a presença de blockbusters

Estreia de ‘Homem-Aranha’ em mais de 80% das salas brasileiras reacendeu debate sobre regulação no parque exibidor

    Temas

    A estreia de “Homem-Aranha: Sem volta para casa” reacendeu o debate sobre políticas de cota de telas que visam limitar e regular a presença de blockbusters e consequente limitação de outros títulos – nas salas de cinema. O longa – oitavo do personagem – estreou no Brasil ocupando 80,3% do parque exibidor nacional.

    O Brasil, assim como muitos outros países, tem uma política de cota de telas, que foi assinada em 2001. Ela, no entanto, está em uma espécie de limbo, já que o texto legislativo que trata do assunto venceu em setembro de 2021 e uma nova proposta ainda tramita no Congresso.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.