Qual o quadro do garimpo ilegal no rio Madeira e na Amazônia

Balsas que passaram semanas atracadas no local dispersaram após autoridades anunciarem operação para conter atividade. Extração irregular de minério tem crescido com queda na fiscalização, e ameaçado em especial terras indígenas

Centenas de balsas de garimpo ilegal passaram semanas instaladas num trecho do rio Madeira, na cidade de Autazes (AM), a 113 km de Manaus, após surgir a informação de que havia ouro na região, onde a extração do minério é proibida. As embarcações dispersaram na sexta-feira (26) após o anúncio de que a Polícia Federal e as Forças Armadas preparavam uma operação para conter o garimpo no local. A ação teve início neste sábado (27).

A reação das autoridades só começou a tomar forma após imagens de fileiras de embarcações repercutirem na imprensa nacional. O garimpo tem impactos ambientais, sociais e para a saúde pública negativos na Amazônia. Esses grupos, porém, têm conquistado cada vez mais poder na região graças à falta de fiscalização e ao apoio aberto de políticos como o presidente Jair Bolsonaro.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.