1 ano da morte de Beto Freitas: as ações do Carrefour e suas reações

Em medida criticada por parte do movimento negro, rede de supermercados prometeu investimento milionário em iniciativas de combate ao racismo por meio de acordo que livra a empresa de processos judiciais

    O assassinato de João Alberto Silveira Freitas em uma loja da rede de supermercados Carrefour em Porto Alegre completou um ano na sexta-feira (19). Beto (como era conhecido), um homem negro de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças brancos no estacionamento do estabelecimento.

    O crime, que foi filmado, ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra e gerou protestos antirracistas e reações ao redor do Brasil. Seis pessoas foram denunciadas por envolvimento no caso. O Grupo Vector, ao qual estavam ligados os seguranças do supermercado, fez acordo em 5 de novembro de 2021 com a Defensoria Pública do Rio Grande do Sul para pagar indenização de R$ 1,79 milhão a um fundo de combate ao racismo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.