O livro que relata o medo da volta da escravidão na República

Manifestação em São Luís do Maranhão nos dias seguintes ao fim da monarquia, em 1889, se transformou em massacre narrado no romance ‘A nova aurora: Novela Maranhense’, de Astolfo Marques

    Uma chacina pouco conhecida deu origem ao romance “A nova aurora: Novela maranhense”, escrito por Astolfo Marques. Publicado originalmente em 1913, o livro que acaba de ganhar uma reedição pela Chão Editora reconta o Massacre de 17 de novembro, também conhecido como o Massacre dos Libertos, que aconteceu em São Luís do Maranhão nos dias seguintes à proclamação da República, em 1889. Essa é a primeira vez que o livro é reeditado desde a sua publicação, que não teve alcance nacional no século 20.

    Apesar de ser uma obra ficcional, “A nova aurora: Novela maranhense” registra e recupera literariamente um acontecimento pouco conhecido pelos brasileiros e quase apagado da história. Os eventos em torno desse período geralmente tomam o que aconteceu no eixo Rio-São Paulo para descrever a recepção geral dos fatos, ignorando o que acontecia no restante do país e anulando também a interpretação das pessoas negras e pobres sobre o episódio.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.