1 ano de Pix: números, problemas e futuro do sistema de pagamentos

Ferramenta desbancou TED e DOC e já movimentou mais de R$ 3 trilhões. Acesso é maior entre jovens e faixas mais altas de renda

    O Pix completou um ano de funcionamento na terça-feira (16). O sistema de pagamentos foi criado pelo Banco Central para facilitar a transferência de valores no país, seja entre pessoas ou empresas.

    Em um ano de operação, o Pix passou a ser adotado por parte considerável da população brasileira, sobretudo jovens e pessoas com renda mais alta. Além disso, foi protagonista de um pico de sequestros-relâmpagos, o que levou a mudanças no sistema de pagamentos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.